English readers and other languages: Many posts are in portuguese, you can use the Translate button at left side.

Clique nas imagens dos artigos! Elas levam você para o site do artista que a criou e muitas
vezes tem assuntos relacionados ou outras imagens para expandir seus horizontes!

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Funcionar não significa bem feito (nem seguro)

"The Fabric of Clouds"
Foto himitsuhana (Chiara Fersini)


Estava lendo o blog do Jeff Atwood e encontrei este post:


"As a software developer, you are your own worst enemy. The sooner you realize that, the better off you'll be. In fact, that's the tipping point between amateurs and professionals in our industry: the professionals realize everything they write sucks."

O texto comenta sobre fazer as coisas bem feitas, ou resolver na base do "remendo" (gambiarras).

Logo adiante, um visitante deixou esse comentário bem pertinente:

"MarketGarden: That is why we do not hire programmers unless they have 5 years of experience. Its money well spent as we do not have to deal with any snot-nosed punks who think they know it all, but obviously do not."


Um pouco irônico, pois nem todos novatos são punks, muitos são da geração-saúde ou mauricinhos (risos).
Mas concordo com o tempo mínimo para alguém (na média de 99% do mercado) começar a ter condições de programar decentemente.

Isto não é ofensa para ninguém, pelo contrário. Se assim fosse, a faculdade de medicina liberaria todo mundo para fazer cirurgia cardíaca logo no primeiro ano, e o tempo de residência clinica deixaria de ser obrigatório.

Ninguém nasce sabendo. Eu também já fui novato. Eu também já quis ser expert em tudo que havia. Mas independente do meu talento natural precisei estudar e praticar, e nunca mais parei de me atualizar. Também precisei viver e conhecer as pessoas e tornar-me adulto. Tive como colegas vários profissionais muito bons, que foram meus mentores, e estimularam o gosto pela pesquisa, atualização e principalmente fazer seu serviço bem feito!

É necessário ter autocrítica. Claro que às vezes uma gambiarra resolve o problema. Mas ficar meses e meses empilhando remendos ao invés de reescrever o código que está errado é perda de tempo e dinheiro.

Escovar bits em excesso é uma coisa nem sempre necessária. Mas procurar trabalhar sempre com capricho e boas técnicas é essencial.

E principalmente, gostar de estudar.

Então:
Someone may tell me why in our country, every job advertisement ask for english but in 99,99999% nobody is able to talk with english with me, nor at interview, nor daily?

Tradução: Alguém me diga por que em nosso país, em qualquer anúncio de emprego pedem inglês, mas em  99,99999% das vezes praticamente ninguém da empresa é capaz de falar em inglês comigo, nem na entrevista nem diariamente?

Entendeu?

.'.
 

Criticas certas ou não, neste ou naquele bar

O blog esenhaem6.blogspot.com havia publicado um posto criticando o atendimento e qualidade dos produtos num conhecido bar da metrópole. Os donos do estabelecimento não gostaram da reclamação e pediram para tirarem.
Entram aí, a veracidade dos fatos, e até que ponto pode-se manifestar publicamente sem que a outra parte possa argumentar excessos.
Um dos autores do blog, é da revista Info, na qual saiu uma matéria sobre o assunto:
http://info.abril.com.br/noticias/mercado/blog-e-ameacado-por-criticas-a-bar-29092009-34.shl?2
Vários outros blogs publicaram manifestações a respeito, favoráveis ou não, como por exemplo, o http://www.contraditorium.com


Meu comentário a respeito:

Parece-me que esqueceram que cliente bem atendido, vai te indicar até dez outros clientes. Mas cliente mal atendido, vai falar para todo mundo, conforme forem seus contatos. Se o cliente é blogueiro, vai escrever comentário negativo sim.
Sobre o que teria sido a réplica pública dos proprietários do estabelecimento, eu pessoalmente achei ofensiva, pois primeiro credita ao "tamanho" do estabelecimento, seu maior peso, em detrimento da qualidade.
Poderiam ter usado a tradicional resposta "lamentamos o ocorrido e estamos verificando para poder solucionar eventuais problemas e continuar atendendo bem nossos clientes..." só que não foi isto.
Eu já fiz comentário negativo de estabelecimentos no Orkut, em comunidades com mais de 20.000 membros e ninguém sequer cogitou de tentar negar, pois os locais (alguns dos melhores restaurantes de Porto Alegre), eram sabidamente pontos de problema semelhantes.
Claro que a intenção não é denegrir a imagem de ninguém, como o Arthur Cavalcante comentou. Em pleno século XXI, comentários deixam de ser apenas da pequena esfera pessoal. Pessoas utilizam sites de relacionamento, blogs, etc, para manifestar suas impressões e trocar idéias com seus conhecidos.
Mas também, é claro, não se pode falar qualquer coisa. Liberdade de expressão não significa libertinagem. É necessário responsabilidade, algum estilo e elegância ou humor, para falar sua opinião. E também estar preparado para opiniões contrárias.
Mas quando se fala a verdade, a minha recomendação para evitar incomodação com advogados prontos a ganhar um dinheirinho lhe importunando, é evitar a afronta muito direta. Pode-se elogiar serviço com ironia e humor, por exemplo.
No final, todos entendem a mensagem. Quem não quiser entender, ou mudar, azar.
O que não podemos mais é permitir que maus prestadores de serviço imponham-se por causa do seu poder economico, nem que qualquer um fale qualquer coisa sem uma adequada argumentação.

As batalhas, não são entre armas. Mas entre idéias.

.'.

Leia outros artigos clicando nas tags abaixo:

Dize-me o que vestes e direi quem te manda

O Adriano Silva, da Exame, escreveu um interessante questionamento sobre como as empresas controlam ou não a maneira de vestir de seus funcionários. Este controle muitas vezes vai a extremos.

Meu comentário publicado no artigo "Sua corporação é control freak? ":



Modo irônico = ON.

Outra imensa bobagem! O que tem de errado em uniformizar o pensamento dos "empregados" se estes são pagos para trabalhar e fazer o que a empresa manda? Calem a boca, não pensem e fazem o que mandamos! Pagamos pela sua vida! Obedeçam nossas neuroses autocráticas!

Produtividade é fazer o que tem de fazer. Pensar é para quem é pago para "pensar" em como fazer o que o Deus-Chefão-Todo-Poderoso quer.

O resto deve cumprir ordens, ficar com a bunda na cadeira e nada de perder tempo com coisas absurdas e improdutivas!

De preferência devem baixar a cabeça e só trabalhar e não devem nem respirar pois estão sendo pagos para trabalhar (escutei isto recentemente de um gerentão nacionalmente famoso até sair da empresa nacionalmente famosa)...

Máquinas paradas não produzem! Pás encostadas não cavam! Com certeza o mesmo vale para qualquer atividade que a "peonada" tem que fazer.

Qual a diferença entre fazer força nas máquinas ou empurrar o teclado para fazer o computador funcionar?

Ora, dizem até que "estudamos em Universidades de Alto Nível", "somos superiores a essa gente toda"...

Habilidades, histórico profissional, talento, nada disto importa.

Para os atuais senhores de engenho e suas mesmas velhas e mimadas idéias, a grande Senzala Virtual continua sendo seu território.

Quem discorda, ou vai para o tronco ou é atirado embora. E sempre perseguido com certeza pelos cães e seus capatazes.

.'.

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Conjur - Catho é condenada a pagar R$ 13 milhões por furto de currículos

Vi agora:

Catho é condenada por furto de currículos na internet

Por Gláucia Milício repórter da revista Consultor Jurídico.

A Catho, maior empresa de recrutamento profissional do país, está obrigada a pagar R$ 13 milhões por furtar currículos da base de dados da sua concorrente, a Gelre. A determinação é do juiz Mário Galbetti, da 33ª Vara Cível de São Paulo. Ao analisar a ação, o juiz destacou que sob qualquer ângulo que se examinasse a questão, não haveria como deixar de reconhecer a prática desleal praticada pela Catho. Ainda cabe recurso da decisão.

Este processo não é o único que a empresa responde. Está tramitando, na mesma vara, processo da outra concorrente Curriculum. Assim, como a Gelre, a empresa alega que a Catho usou o programa batizado como "rouba.phtml", para capturar seus currículos e endereços eletrônicos nos sites.

No caso da Gelre, antes de analisar o pedido, o juiz Mário Galbetti pediu laudo pericial para confrontar as alegações das duas empresas. A Catho, para se defender, afirmou que não praticara nenhum ato ilícito. Contudo, no confronto de 3,8 milhões de endereços da Catho com os 499 mil da Gelre foram encontrados 272 endereços eletrônicos coincidentes, “sendo certo que a própria preferência assinalada nos documentos da Catho indica que estavam ali sendo extraídos do banco de dados da Gelre”, destacou o juiz.

Na decisão, Galbetti ainda escreveu que, conforme prova pericial feita nos computadores da Catho, foram encontradas troca de e-mails entre funcionários que recebiam bônus de acordo com a quantidade de currículos capturados da concorrente. “E se não bastasse, os próprios funcionários da Catho se auto intitulavam nos e-mails como “hacker” ou “craker”, afirmando que sua função era roubar currículos.”

Ainda segundo a decisão, a Catho utilizava o número total de currículos para fazer propaganda e captar mais clientes no mercado por ser a empresa com maior base de dados do setor. A empresa explorava o que denominava de vulnerabilidades ou falhas de segurança do site concorrente, copiando todos os currículos da sua base, registrou o juiz.

Por fim, para fixar o valor da indenização, o juiz levou em conta o valor cobrado pela própria Catho, de R$ 50 por mês, por currículo inserido. “O fato de a empresa ser uma das maiores, ou a maior do setor, somente torna ainda mais reprovável seus atos”, finalizou.

A assessoria de imprensa da Catho informou que a empresa vai recorrer da decisão.

Clique aqui para ler a decisão.

Matéria publicada no site:Conjur - Catho é condenada a pagar R$ 13 milhões por furto de currículos.

Meu comentário:

É fácil ser uma empresa grande. Difícil, é ser uma Grande Empresa.

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Dinossauros Atletas e Jovens Decrépitos

Foto: Karen Ilagan

Maturidade pessoal, profissional e empresarial seria apenas o tempo ou o conhecimento? E a sabedoria onde entra?

Aos mais experientes, tanto quanto para os mais novos, é necessária atualização constante. Assim como em qualquer outra profissão, é necessário procurar estar em dia.

Tecnologia da Informação (T.I.), com sua enorme diversidade, possui constantes mudanças e também, novos caminhos que poderão ser trilhados.

Ainda a velha tela caracter dos anos 70-80.
As pessoas, especialmente os menos experientes (e digo que podem ter décadas de inexperiência... risos...), às vezes simplificam tanto, que acham que por ter o título de dinossauro, eu seja apegado de alguma forma ao passado.

Olha, se fosse saudosista, eu usaria cartão perfurado ou seria fã de editores de texto como o VI.

Sou dinossauro pelo tempo apenas. Lá nos anos 70 já tínhamos o sonho de ter computadores que facilitassem o trabalho. Fazer a máquina trabalhar mais para nós e não o contrário.

Vou deixar bem claro: acho muito legal mainframes pelo seu imenso poder de processamento, mas não tenho nenhuma saudade de cartões perfurados, linhas de texto; Muito menos dos discos magnéticos de 25 Kg!

Bolas! Passamos a vida estudando, buscando aprimorar a qualidade e produtividade para ficar usando carrinho de mulas? Isto quando já existem veículos motorizados? E por quê? Por causa de alguns que acham lindo usar coisas pré-históricas?

Telas gráficas facilitaram muito o trabalho.
Mas tem quem prefere arcaicas linhas de comando...
Porque eu vou deixar de usar editores que me proporcional dezenas/centenas de vezes mais agilidade e produtividade? É um exemplo simples, mas quando vejo os mais novos usando ferramentas e métodos de trabalho que faz décadas são improdutivos, de pouca qualidade ou baixos resultados, me pergunto aonde irão chegar se já começam pela velhice senil.

Aprendizado em TI, em minha opinião, não é acumular tecnologia. É estar sempre caminhando para frente. "Decoreba" não é aprendizado. Devem-se dominar os conceitos.
 
E para os mais novos, é necessário praticar sim. Ninguém começa por cima. Assim como o confeiteiro melhora botando a mão na massa, todos os dias, as práticas aliadas ao estudo continuam que vai dar a bagagem para encarar as tarefas.

Software, computação, tem que trazer resultados práticos reais. Antes de chamar alguém de vovô façam um programa de alta performance, que use bem os recursos e forneça ótimos resultados. Festival de efeitos visuais e "coisinhas" piscando na tela são bonitos para videogames. 

Busquem criar algo que consiga fornecer recursos para análise ou demonstração ampla da informação. Por exemplo, vejam o artigo "Meditaçao Empresarial - Sementes de Pontos de Vista". A foto final mostra muito mais do que qualquer gráfico multidimensional. E é bonita para a alma, estimula a criatividade e ajuda o desenvolvimento da consciência.

E como falei de videogames, lembrem que estes precisam ter uma excelente qualidade técnica, alta performance e criatividade. Ou seja: tem que saber o que faz e dominar isto. E não é só a técnica, mas conhecer as pessoas, os usuários, os seres humanos que vão interagir com o programa.

A maturidade da empresa vai ocorrer quando esta deixar de ser um celeiro protetor de práticas que não funcionam mais. Ou um local de técnicas velhas que apenas mudaram de nome.

Maturidade empresarial vem quando existe a consciência interior de que precisa ser um lugar aonde exercer e ter opções reais de aprendizado e evolução deve ser em todos os níveis..



Honeywell Information Systems Series 6000 mainframe computer system 1973
Foto Jack Mulligan

Deparo-me a todo o momento com pessoas que estão nos seus primeiros anos de profissão e continuam programando exatamente igual ao que faziam no início, cinco ou dez anos atrás (desculpem o pleonasmo... rssss). Não aprenderam nada! Podem até ter a ferramentinha da moda para desenhar algum diagrama, mas a maneira de trabalhar continua a mesma.

Deparo-me também, a todo o momento, com pessoas com longo tempo de trabalho, mas que só usam internet para e-mail pessoal, da empresa e olhe lá. Mas muito raramente eu as vejo entrarem num site técnico, num fórum de debate de TI, pesquisar algoritmos ou tecnologia que possam lhes trazer ganhos no aprendizado profissional.

A maturidade deve ser buscada por todos. Deparo-me todo tempo com pessoas de pouca idade, mas com a confortável mentalidade de velhos, sem iniciativa, mas que se consideram donos da bola, do campo, do apito, são o principal jogador e o próprio juiz!

Maturidade não é idade. É nível de consciência. É ser capaz de um pensamento completo por si só e ser responsável por seus atos, de forma a elaborar e executar com qualidade, produtividade e inovação. Maturidade é o pensamento consciente que vai gerir novos frutos e saber dar-lhes o necessário cuidado, desde a semente, passando pelas diversas fases.

Em cada estágio do que fazemos é necessário tanto o conhecimento e a experiência, quanto o impulso e a vitalidade para as atividades necessárias. Deparo-me a todo tempo com velhos arcaicos e retrógrados, aos vinte e poucos anos!

E são muitos, infelizmente. Deparo-me a todo tempo com empresas que pensam que é um trabalho escolar. Iniciativa é algo que ou a pessoa tem ou não tem e precisa desenvolver.


Foto: Claudio Zeiger

Maturidade é algo que a empresa vai ter quando tiver a visão e o nível de ação que se espera de quem esteja consciente de si, dos demais, do que representa e do caminho a seguir.

Só então começará a atuar de forma mais integral, com qualidade e produtividade, proporcionando satisfação e a realização da sua atividade de forma mais equilibrada e capacitada de continuar atuante e com vistas ao futuro.



.'.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Lei Anti-Photoshop pode acabar com a mulher que não existe

Uma deputada francesa apresentou ao parlamento de seu país um projeto que pode obrigar jornais, revistas e sites a identificar imagens modificadas no Photoshop.Fonte:  Matéria do Felipe Zmoginski, na revista INFO: França pode criar lei anti-Photoshop


Editado. outra manifestação mais recente:
Tecmundo: Adolescente coleta 50 mil assinaturas digitais contra o uso de Photoshop em fotos de revistas
Petição online ganhou destaque na mídia e recebeu mais de 40 mil assinaturas em menos de uma semana.



Meu comentário:

Lindsay Lohan
Foto: www.antesydespues.com.ar
Já pensaram o que isto pode representar? De cara, as revistas de moda deixarão de mostrar mulheres que não existem. Depois serão as revistas adultas.

Depois serão os modernos galãs de cinema, etc!

Eu disse galãs de cinema??? Disse sim. Os homens também tem suas imagens melhoradas pelo Photoshop ou acham que é só mulher que ganha?
Lembram dos 100 milhões de dólares de Titanic? Aquela beleza toda teve ajuda sim.


Se a moda de combater falsificações, ou melhor, obrigar a identificação de alterações der certo, logo adiante poderá haver outra obrigando a identificação do uso de silicone, ou quem sabe, sua proibição.

Coitados dos norte-americanos que gostam tanto de mulheres de seios fartos.... (risos)

Lionel Messi
Foto: www.antesydespues.com.ar


.'.

Havaianas estimulam comportamento do Capeta

As havaianas é claro renderam muitos comentários do tipo: "minha filhinha de QUATRO anos perguntou o que é sexo!"

Imagino o ambiente moralista e repressor em que vivem. E estamos no século XXI, mas ainda muitos vivem na Idade Média, a Idade das Trevas, cheias de demonios e encostos torturando seus pensamentos, escravizadas pelo medo.

Papai, Mamãe, o que é sexo?

Uma tremenda pouca vergonha de depravação escandalosa do demonio para nossa sociedade que merece ter seus valores protegidos contra coisas completamente absurdas e questionáveis como essa sensacionalista exploração de argumentos maniqueistas tentando confundir a boa índole de gente de bem que trabalha e cuida de suas familia contra a intromissão externa de noções que se tornam justamente questionáveis se não fizermos nada para aprimorar nossa consciência sobre a importância de dias melhores e mais harmoniosos sem que as pessoas percam a calma simplesmente porque ainda não tem coragem ou instrução social, moral e cívica e não conseguem dizer para seus filhos pequenos que "sexo simplesmente é quando duas pessoas adultas namoram" e ponto!

As crianças entendem muito bem respostas diretas e não precisa entrar em detalhes desnecessários para a idade! Conversem com um asssistente social ou com um pediatra ou psicólogo!

Essa pecaminosa conjunção de palavras endemoniadas confunde as pessoas desavisadas, joga o pecado como argumento e faz com que as mais tímidas continuem tímidas sem necessidade.

Namorar é bom e saudável e pronto.

E se minha filha, sobrinha, neta, quiser namorar, pode ir.

O importante não é se ela vai dar o rabo, mas saber o que está fazendo, com quem e porque.

Se é por amor, amizade ou diversão, o importante é saber cuidar de si mesma e aproveitar estes bons momentos de forma madura.

Pecado é o que está na cabeça das pessoas.

P.S. As moças maiores de idade favor enviar email com foto.

Aparência: Quando Lindo pode ser Horrível

Foto: Employé du Moi


Fiz um comentário na matéria da ComputerWorld sobre a questão da aparência e lembrei de um daqueles casos de rir.

Um conhecido, bem apessoado, que sempre se veste bem, traje esporte/social, foi numa entrevista com o gerente de uma empresa bem conhecida.
Chegando lá, o entrevistador ia fazendo perguntas e anotando numa planilha.

Mas de cara, este conhecido percebeu algo que o entrevistador escreveu em letras garrafais e destacou, no item  Aparência: "H-O-R-R-Í-V-E-L-!!!"

O engraçado é que o entrevistador usava uma camisa de seda multicolorida aberta o peito, muitos anéis, pulseira, correntão no pesoço, relógio daqueles grandes, calça listrada.

Mundos diferentes, idéias e conceitos diferentes.

A matéria está no link: Aparência é essencial para o sucesso profissional.


E repasso aqui meu comentário, com alguns acréscimos:


Beleza Interior e Exterior


Boa aparência sempre é bom. Mas é diferente a pessoa usar uma roupa esporte do que vestir com desleixo ou ainda, parecer estar vindo direto de uma noitada daquelas.

Procure se informar antes como é o ambiente da empresa.

Mulheres, citando uma pessoa que conheci, vistam-se para o sucesso, não para o sexo (risos). A menos que o objetivo pré-combinado da entrevista seja este mesmo (risossss). Barriguinha de fora é bonito, mas na entrevista, o negócio é uma roupinha mais formal.

Claro que a mulher tem sua beleza, mas tem hora adequada para aquela roupa para seduzir e enlouquecer... Lembre que você poderá ser entrevistada por outra mulher, ou por alguém de formação recatada. Quem sabe pela mulher do chefe... Conheci uma empresa que só contratava mulher feia. O dono da empresa tinha uma esposa muito ciumenta. Ou muito precavida (risos).

Quando for até a empresa, observe se o ambiente é formal demais, se adota uniforme ou estilo de vestir. Além de que nem sempre são de bom gosto, podem indicar que as chefias cuidam além aparência, da vida pessoal e tem regras com as quais nem sempre as pessoas sentem-se confortáveis. Tem lugar em que as roupas parecem o império da Maria Mijona só porque alguém lá em cima achou melhor economizar tostões e mandar fazer uniformes com o tecido mais barato no lugar que cobrou menos. Ficou tudo mal costurado e teve que ser refeito pelos próprios funcionários, mas isto é azar deles alguém pensou... (risos)

Outra coisa, que não é correta, aliás, é ilegal: certas empresas só contratam gente bonita, rosto, corpo forma de vestir e até as marcas que usa. Observe como são as pessoas da empresa. Se for na média, com gente de todo tipo, está Ok. Mas se parecer um catálogo de gente bonita, griffes, etc, vai indicar um peso muito maior na aparência do que nas suas capacidades profissionais.

.'.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

As Havaianas e a Eguinha Pocotó

Está sendo comentado em vários locais, como no blog da Cristiane Correa, Editora executiva de EXAME, a respeito de uma campanha publicitária das Havaianas (citando) "em que uma neta conversavam num restaurante. Eis que entra no local o galã Cauã Reymond e a simpática velhinha diz pra neta que ela precisa de um moço como aquele. Para casar? Não, para sexo."
Link para a matéria na revista Exame: http://portalexame.abril.com.br/blogs/cristianecorrea/listar1.shtml



Minha Opinião:

Pronto. Foi feito o escândalo. E tiraram a propaganda do ar por que teve muita gente, ou melhor, alguns, se manifestaram porque aquilo é uma vergonha, um escândalo, onde é que já se viu e por aí vai.
Bem, eu convivo com pessoas que não são da população mais elitizada, conheço mais gente ainda que é tanto de familias de nível ABCD e que gostam das coisas comuns da vida, como rir, conversar, dançar, sem muita preocupação com algum sentido oculto que possa estar numa simples brincadeira.
A maioria, crianças, velhas, senhoras, moças, mocinhas, religiosos ou não, de todas as profissões, simplesmente achou graça e já esqueceu no minuto seguinte. Foi só uma piadinha de salão e pronto.
Mas para alguns que coisa terrível!!! Uma senhora, imagem representante máxima dos valores da família falando de forma tão vulgar!
Olha, a maioria das mães e avós que conheço riram junto. E sem preocupação. Claro que algumas até comentaram que antigamente mal dava para se olhar para o lado sem ter os censores nos perseguindo.
Mas sexo, continua sendo aquele cruel punhal perseguindo a mente daqueles que não fazem e criticam os outros. Quem pensa demais em sexo e não faz, vira nisso.
Quem tem uma vida saudável, isto inclui uma sexualidade saudável, que faz parte da vida humana, não se preocupa com algo assim.
E tenho certeza, de que DEUS não é um velho xarope que fica lá no céu sentado o dia inteiro preocupado com o que faço com meu saco.
Por isso, antes deste post republiquei o comentário que fiz sobre a Eguinha Pocotó. Lembram daquela música que a turma achava engraçada? Pois é, brincadeira é só isto.
Caso Havaianas, internet social e outras coisas sejam problema, estou atendendo mocinhas e mulheres legais que procurem assistência para a manutenção saudável da natureza humana. Enviar e-mail com fotos de preferências bem liberais.

Melhor Pocotó do que Bocó! Rebolation na Bicicletinha

Por causa do questionamento da propaganda bem humorada das Havaianas, estou republicando este artigo, originalmente veinculado faz alguns anos no site da Revista Comentando, do nosso querido Alex Saba.

Editado em 07/jun/2010): Só para acrescentar, Rebolation, Bicicletinha aparecendo a calcinha (rsss), e outros.

Concordo que não gosto de várias, mas e daí?
Acredito que o direito de um começa quando este reconhece que os outros também tem direitos.


Melhor Pocotó do que Bocó!

Li outro dia um texto daqueles que criticam a música da Eguinha Pocotó e outras tantas manifestações populares.

Além do teor moralista, o que acho que seria um desprestígio as nossas mulheres maravilhosas, tem o aspecto de pretender popularizar mais ainda o conceito de que música brasileira é ruim!

A última frase do texto é mais ou menos assim: "Eu sabia que outros milhões de brasileiros estavam naquele momento, assistindo o jumento, o cavalinho e a égüinha pocotó, sem perceber que a TV os chamava de burros"

Será? A maioria das pessoas que conheço que gosta deste tipo de música, sabem que é só para se divertir e que não tem nada mais ali, senão a melodia e a dança. Não estão buscando significados esotéricos, filosóficos, nem aquelas chatíssimas digressões e intelectualimos, que depois de um dia de trabalho, é a última coisa que se precisa fazer se pretende relaxar e aproveitar um pouco da sua saúde juvenil.

A egüinha Pocotó é musicalmente ruim mesmo ou será que lembra alguma vizinha que o autor deve estar doido para comer e não tem coragem porque acha que é pecado? Quem sabe o cara é daqueles que gostam de perguntas retóricas que chateiam até filósofo amante de Jazz ortodoxo?

Se isto serve de inspiração, a maioria das músicas americanas são deste nível para pior. A diferença, é que as pessoas aqui não entendem o que está sendo falado! Se você traduzir, vai descobrir que a nossa música popular é muito rica e criativa.

Então, antes de censurar a bunda dos outros, eu sugiro que as pessoas peguem um dicionário e traduzam o lixo que toca direto nas rádios. Lixo por lixo, prefiro o nosso, pelo menos eu entendo o que é, e as meninas que gostam destas músicas, são muitas vezes mais expertas e objetivas que a maioria das patricinhas eruditas que dançam nas "nights" cantarolando melodias que não entendem, mas que estimulam alguma coisa em seus neurônios.

Por coincidência, a maioria das mulheres que conheci recriminando o funk, e que também são feministas radicais e também costumam achar que sexo heterossexual é a degradação da mulher e por isto preferem elas manterem seus relacionamentos apenas com mulheres... OU seja, (opinião pessoal minha por tantos casos observados)... na verdade estão apenas manipulando descaradamente e fazendo discurso com a intenção de usarem isso para conquistarem outras mulheres. E o mesmo caso para homens apregoando isso e aquilo tentando convencer seus alvos para suas abordagens.

Ou seja, para estes que "oportunamente reclamam" sexo é pecado? E se for entre pessoas de sexos diferentes pior ainda?
Melhor voltar à música.

Olha, fazer música popular, não é fácil. Se fosse, qualquer erudito gravaria alguns hits só para ter grana para montar seu estúdio e parar de depender de subsídios e "PAItrocínios". Música popular é algo que precisa ter uma certa capacidade, como tudo na vida. Alguns são bons nisto, outros nalgum outro tipo de trabalho. Mas pretender que todos tenham o mesmo gosto, seria simplificação. E com tantas bundas diferentes por aí, só posso dizer: Viva a diferença!

E viva a nossa música, mesmo que eu pessoalmente prefira outro gênero musical.

.'.
Leia também:
.'.

Sun mantém MySql e Sparc

A Oracle, enquanto espera a analise da Comissão Européia sobre o impacto compra da Sun e como isto vai afetar o mercado de banco de dados avisa que vai manter o MySql, pois são produtos que não competem.

Larry Ellison, CEO da Oracle CEO disse que a competição é com o IBM DB2, Microsoft SQL Server, Sybase e outros. São mercados diferentes, disse.

Também foi noticiado que a plataforma SPARC receberá investimentos.

Até a liberação pela Comissão Européia, a Oracle declara estar perdendo milhões todos os meses em negócios. Enquanto isto, IBM e HP aproveitam.

Veja matéria sobre o assunto em:Oracle Will Not Spin Off MySql

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Como assassinar um girassol para provar que ele pode morrer

Ilustração: Diego Guerra

Putz, outra propaganda antifumo radical. Os caras botaram um girassol dentro de um vidro, encheram de fumaça e adivinha? Claro que o coitado morreu. Morreria de qualquer jeito com um bando de chatos botando olho e torcendo para ele morrer logo para provarem seu ponto de vista.

Matéria na Info Online, no sempre bom blog do Felipe Zmoginski: Girassol fumante apoia lei anti-fumo

Meu comentário:

Alto lá. Mais uma manifestação de ecochatos, manipulando informação para perseguição de pessoas que estão DENTRO da lei. Educação, civilidade e Constituição são para todos. O dia que for crime, eu sou o primeiro a mudar o discurso.

Esqueceram de dizer este é o tipo de mídia "tão bonitinha e maquiavelicamente chocante" é tendenciosa e manipulativa.

Todo mundo sabe que fumar faz mal. Beber faz mal. Água demais faz mal. Escolha de cada um.

Tenho o direito de sair lá fora e fumar sem ser atacado por algum pregador maluco metido a salvador do mundo que vem atrás de mim para bater na minha cabeça e dizer que "sou doente"...  putz, a pessoa é descaradamente maníaca-facista e eu que sou doente?

Esperem eles entrarem nas casas das pessoas para apregoar a próxima discriminação. Se acham pouco votem neles. Só lembrem de olhar o perfil sócio economico desse pessoal, e que quem é que sustenta tudo isso. Claro que não é só papi e mami, tem muitas ONGs de capital estrangeiro lideradas sabe-se lá por quem.

Sobre o vídeo, digo que é tendencioso por um simples motivo: Uma planta morreria num ambiente semi-fechado submetida a intoxicação por qualquer coisa.

Se tivessem borrifado perfume francês a planta também morreria. Se fosse sabonete morreria. Se fossem os vapores de produtos para cabelo (liberados pelo calor da água quente no banho) também morreria. Se fossem os gases do automóvel daquela idiota que apareceu na TV dizendo que o poluído ar de São Paulo na hora do rush é mais saudável que estar perto de um fumante ao ar livre então...

Quem sabe botam essa turma cheirando seus próprios gases dentro de uma redoma fechada durante uma semana.

Poderiam colocar a planta também dentro de um ônibus, ou no corredor de um supermercado, na fila do cinema, enfim, milhares de locais em que muitas pessoas demonstram diariamente falta de civilidade e respeito com o espaço dos demais.

Pisar, empurrar, deixar de puxar a descarga no banheiro das mulheres só porque acha que seu número dois é lindo, etc, etc... isto pode?


Recentemente houve uma matéria sobre não contratação discriminatória de fumantes em pról de criminosos. Estuprador, assassino, estelionatário, pervertidos, etc pode? Por favor, quem tiver família, mulher, mãe, filhas e filhos não responda!

A matéria está aqui na Info, no link: http://info.abril.com.br/professional/carreira/nao-contrato-fumante.shtml

Para quem não sabe que existem LEIS, vários juristas tem se manifestado. Citando um deles: (trecho)
"...combater o cigarro é questão de saúde pública e deve ser feito a todo custo.

Alto lá! A todo custo? Não, a todo custo não dá, não! E não dá mesmo porque em direito os fins não justificam os meios: eis aqui uma outra obviedade -dessa vez, jurídica.

Temos desde 1988 uma Constituição democrática que retornou o país ao Estado de Direito e que constitui patrimônio de todos os brasileiros; defendê-la, sim, é algo que deve ser feito a qualquer custo. E a Constituição, recordemos, é o fundamento de validade de toda e qualquer legislação: federal, estadual ou municipal.

A lei aprovada pela Assembléia paulista contém uma agressão aberta ao direito de liberdade consagrado constitucionalmente e invade esfera de competência privativa da União..."

"...Tampouco tem guarida na Constituição a odiosa discriminação perpetrada contra uma minoria -os fumantes-, que não pode ser massacrada pela maioria saudável, como não podem ser discriminados os alcoólicos e quaisquer outras minorias..."

Fonte: http://www.conjur.com.br/2009-abr-11/lei-antifumo-aprovada-sao-paulo-inconstitucional

Só para terminar, pois no link da Info acima e no meu blog, estão meus comentários a respeito.

Aprendi algumas coisas nestes anos: Não adianta debater com ecochatos é inútil pois acham válido as propagandas mais agressivas possíveis, como aquela sugerindo jogar aviões de novo em New York. Usar uma inocente plantinha, uma linda flor... é uma crueldade discretamente usada para chocar.

Imagem covarde e é o tipo de argumentação tipica da falácia (usar imagem verdadeira para provar um argumento falso).

E só para lembrar, eu faço o que faço voluntariamente. Vou lá fora, não incomodo ninguém, não fico fofocando sobre os outros e muito menos me meto na vida alheia. E lavo minhas mãos mais vezes por dia do que a maioria das dondocas por aí em dias.

E por último, para quem não se deu conta: Para fazer este lindo filme, mataram por sufocamento num ambiente fechado, um lindo girassol. Será que foi só este ou como é comum no cinema, mataram muitos até que a cena ficasse como o diretor queria?

A Terra tem só 510,3 milhões de km2 e esses chatos querem TUDO para eles?

Cuidado, quem serão os próximos? Os acendedores daqueles incensos que os intoxicados acham 
fedorentos? Ou os pagodeiros que fazem aquelas coisas horríveis que pessoas normais gostam? Ou serão aqueles "terríveis" seguidores desta ou daquela idéia de moda ou quem sabe?

Lembrando, um dos excelente comentários que li, é justamente sobre como é que estes "fiscalizadores da vida alheia" iriam fiscalizar um estabelecimento de swing! Pois imagine a cena: Estão lá, todos maiores de idade, dentro da lei, entrando e saindo a vontade, e claro que ninguém vai ir lá na rua pelado prá fumar né? O que os fiscais vão fiscalizar? E como vão entrar se tem que tirar a roupa?

Por favor, pensem antes de invadir a vida do seu vizinho, arrombar a porta, pular a cerca, o que for.

Amanhã poderá ser você.

Em tempo, depois de enviar o comentário para a moderação, achei mais uma matéria na Conjur ( eu esqueci do torresmo e tantas outras coisas que fazem mal!!! ):

http://www.conjur.com.br/2009-set-22/poderes-leis-arbitrarios-nao-combinam-democracia-liberdade

Puxa vida, felizmente tem mais gente no mundo.


.'.

Gilberto Strapazon é escritor, analista de sistemas e músico tecladista nas horas vagas. Estudou doutrinas ocultistas esotéricas e esquisotéricas, trancendentais e nacionais. Fumante, depois ex-fumante e fumante de novo, instrutor de yoga e terapeuta formado em hipnose antiga (Mesmer).

No verão cuida de um milharal sem agrotóxicos e um pequeno pomar em crescimento no jardim de casa entre um cigarrinho e outro.

.'.

Como regrar o acesso dos usuários à Internet na Empresa

The Future is Bright - Imagem: Erica Cinnis
Bem, como prometi, vou passar algum material sobre uso de internet na empresa.

Achei um artigo bem simples e prático, e acrescentei alguns comentários.

Basicamente fala de algo que é muito esquecido nas corporações: “negocie com seus funcionários”.

Dialogo!


Quando você faz isto, está oferecendo a oportunidade de que os colaboradores façam parte da empresa.

Mas isto deve vale para os dois lados. Se a empresa delega para os funcionários certas definições, mas depois exime-se de fazer sua parte, corre-se o risco de perder credibilidade e principalmente, participação expontanea e interessada.

Da mesma forma, os profissionais devem estar cientes de suas responsabilidades.

Em hipótese alguma, admite-se o nivelamento "por baixo". Saber dar nomes, delegar tarefas, cobrar responsabilidades e manter o equilíbrio entre os diversos níveis de profissionais, é uma das características necessárias a uma boa gestão.

Tradução com adaptações do trabalho: "How to limit internet access to users":

Como limitar o Acesso da Internet pelos Usuários

O uso da internet é comum nos negócios. Um passo a frente em condições de trabalho e performance dos funcionários. Mas o uso fora do negócio da web, também pode ter repercussões negativos ao negócio.

Aqui vamos lhe dar algumas sugestões e conselhos para limitação de forma inteligente do contexto da internet.

Primeiro, vamos lembrar que o uso da internet no trabalho, e-mail pessoal, etc, é nos dias de hoje, como permitir que os funcionários atendam o telefone para assuntos particulares ou façam ligações. Porém é possível acessar e trocar informações de todo tipo, estudar, planejar, etc.

Empresas que acham inoportuno até o uso do telefone, isolando os funcionários do mundo, terão certamente muita dificuldade a este respeito. Lembremos que estamos no século XXI, e interatividade e agilidade são conceitos chave em negócios faz muitos anos.

Para profissionais de TI (Tecnologia da Informação), a falta de contato com as inovações que são diárias, são toda diferença entre manter-se atualizado ou ser apenas mais um medíocre repetindo a mesma coisa ano, após ano.

Por que regulamentar acesso à internet no negócio?

Regulamentar (não proibir) o acesso a internet, é possível para incrementar o funcionamento da companhia em vários pontos:
  • ganho de produtividade;
  • uso mais profissional da internet (informação concernente a companhia);
  • redução do risco de ataques de vírus na rede;
  • conexão de internet (bandwidht) mais rápida e disponível

Monitorar funcionários ou limitar o acesso à internet?

Alguns softwares permitem dispor ações individuais para cada usuário na empresa. Esta abordagem radical certamente não é a mais efetiva. É mais apropriado o acesso por regulamentação negociada (veja abaixo). Se você implementa um sistema de controle por indivíduo, deve estar preparado para prover os procedimentos para seus colaboradores. Por exemplo, registro das páginas visitadas).

Limitando o acesso à internet: Definindo um Código de Conduta

Negociação e comunicação com funcionários continua sendo uma das mais efetivas formas de regular o acesso à internet. O objetivo é tornar os usuários “responsáveis” em sua “navegação” na web. É cada vez mais comum ouvir os funcionários, e fazer com que estes efetivamente tenham a empresa como sua.

Reuniões de instrução, encontros de comitês, seminários corporativos e workshops são oportunidades para negociar com representantes ou com os próprios funcionários. Pode-se chegar a entendimentos ou acordos sobre as condições de uso da Web na empresa.

Disto originam-se “códigos de boa conduta”. Número de horas e situação das tarefas diárias, tipo de conteúdo proibido, regras de uso de e-mail particular...). Divulgue na empresa em reuniões, murais, e-mail interno, informativo, etc.

Lembrando: em muitos locais, o bom senso funciona! Quando as pessoas sabem o que estão fazendo e tem suas responsabilidades, assim como seus benefícios, atendidos, o controle pode ser bem mais informal.

Vale lembrar também do velho ditado: Trate as pessoas como espera ser tratado.

Modos de regular o acesso à internet

Regular o acesso a internet pode ser classificado em duas formas: limitar o tempo de uso ou filtrar o conteúdo acessado. Para maior eficiência, você pode combinar estas duas formas de controle. Mas atenção: filtrar o conteúdo requer um BOM conhecimento das estações da rede. Consulte seu administrador de rede ou na falta deste, a assistência (suporte) de seu provedor de serviços.

Limitar o tempo de acesso a internet na empresa.

Solução amigável. Pode-se estabelecer tempo para assuntos que não sejam do trabalho, diário, ou por cota semanal, etc. Isto pode ser em paralelo com canais que poderão estar disponíveis, como MSN, Twitter, e-mail pessoal. Claro que bom senso dos funcionários é fundamental, daí o processo colaborativo ser mais indicado.

Soluções de software

Com software relativamente simples, pode-se restringir o acesso em cada PC, conexão com internet e programas de mensagem (MSN, etc).
Para usar estes softwares, você deve ser o administrador de cada PC na rede. É requerido login e password em cada máquina. Se houver um administrador de rede na empresa, a tarefa será atribuida a ele.

Filtrar o conteúdo acessado pelos usuários na empresa

Definir filtros é uma operação mais complexa. Este trabalho deve ser certificado pelo administrador da rede da empresa ou provedor do serviço.

Tipos de filtros

Você pode aplicar filtros em três níveis:
  • URL – Pode-se banir certos endereços. Por exemplo, videos online, sites “sensíveis” (adultos, etc).
  • Palavras chave (keywords): Define-se uma lista de palavras banidas. O usuário não poderá acessar resultados em sites de pesquisa. Observação: Nos dias atuais, lembre que certas discussões políticas serão bloqueadas (risos).
  • Tipos de arquivos: Pode-se filtrar que tipos de arquivos serão bloqueados. Por exemplo, música, vídeos, etc. Isto ajuda a limitar a possibilidade de ataques e infecções por vírus na rede corporativa.

Nota: Um esquecimento comum, é que certos sites utilizam serviços hospedados noutros provedores. Por exemplo, desenvolvedores que utilizam opensource, podem estar usando código do Sourceforge, e este poderá estar bloquedo por outros motivos, como downloads, etc. Então, cuidado ao generalizar demais.

Existem vários softwares disponíveis, como webAllow, Messenger Blocker, Pgsurfer, Chronager entre muitos outros além das soluções corporativas como o Blue Coat, IronPort, etc
----o----


Bem, são algumas sugestões que achei interessantes de traduzir e fazer alguns acréscimos. O post anterior já tocou um pouco mais o tema.
Pessoalmente, acho essencial a responsabilidade do funcionário saber do seu serviço, ser produtivo e estar em dia, tanto quanto a da administração prover recursos para atualização técnica e boas condições de trabalho. O tempo das empresas que praticamente mantinham seus funcionários na cadeia ou senzala durante o expediente ainda não terminou infelizmente.

Mas as últimas décadas, e os avanços em qualidade de vida, metodologias de trabalho baseadas em profissionalismo e menos em servidão, tem mostrado melhores resultados para as empresas mais competitivas e vitoriosas.

A geração Y não é a única a se beneficiar dos avanços. Mas todos nós, que trabalhamos para que essa cultura um dia chegasse a mais pessoas e lugares.

Internet é só 'chat' para quem não se atualiza. Se o fizesse, descobriria que existem até chats unicamente de intercâmbio técnico nas mais diversas áreas.

Veja outras matérias sobre este tema em: Redes Sociais
.'.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Ama ou Amarra-me? Em busca de soluções

A matéria da Patrícia Lisboa, "Distribuidora de bebidas restringe uso de internet" é quase uma continuidade do assunto recentemente abordado sobre acesso de redes sociais na empresa.



Meu comentário:

A Empresa Somos Todos.

Um dos grandes problemas, são algumas pessoas que insistem em abrir qualquer e-mail ou site, por mais absurdos que sejam.

É o famoso problema da pessoa em frente ao computador e seu ambiente. Mas ficaremos eternamente cerceando as pessoas? Quando vamos trabalhar para que exista aprendizado e evolução de consciencia do papel de todos?

Amarrar as pessoas não faz com que essas mudem seu comportamente. No instante que houver um segundo de liberdade, elas continuarão a agir da mesma forma. Citando um comentário anterior, uma atividade que pode prejudicar a empresa pode ser feita em qualquer hora e lugar

Lista de sites autorizados, pode ser interessante, mas não são apenas os específicos de um ramo de atividade, que trarão informações ajudarão. Um pintor só acessa sites sobre composição química de tintas? Daonde vem as idéias? Onde estão os colegas?

As vezes é como maçã estragada junto com as boas. Atitudes concientes e produtivas, são parte de sentir-se parte da empresa, valorização, carreiras, níveis de satisfação, etc. Acessos indevidos na internet, tanto quanto banheiros sujos, etc, podem ser indicadores de insatisfação ou de que falta ensinamento.
Para rir um pouco, citando dois exemplos verídicos:

  1. Muitas infestações por vírus de e-mail e sites duvidosos:

    Causa: A maioria, abertos por filhos do dono ou pelo "assessor pessoal" deste. Solução: antivírus, lista-negra de sites no firewall e paciência...

  2. Tráfego maciço de pornografia e contatos pessoais muito íntimos com amantes pelo e-mail da empresa. Com frequencia a internet da empresa ficava mais lenta por conta das muitas mensagens com fotos e filmes.

    Solução: Ação direta: a diretoria chamou todos funcionários numa sala e "mijou" literalmente todo mundo prá valer...(desculpem o termo).

    Resultados da "solução":

    a) os demais funcionários reduziram até o acesso a sites de notícias que eram de interesse da empresa.
    b) contratou-se banda larga bem mais rápida.
    c) a diretoria "não entendeu" por que o ambiente de trabalho piorou e houve queda nas vendas.

    Causa real: 99,9999% do material eram enviados por duas pessoas:  um diretor e um supervisor, seu "amigo", promovido na semana seguinte a uma gerência mais alta que os demais e recebeu outro carro da empresa. A pornografia em larga escala e as mensagens continuaram. (risos)

Existem atitudes e atitudes. É importante estar atento e disposto a ouvir e escutar.

Senão for assim, como será a empresa daqui alguns anos? Voltaremos a ter um tambor tocando o ritmo como nas antigas galeras romanas?

E por último, sei que muitas vezes é difícil ter que adotar atitudes restritivas, mas precisamos pensar para melhorar como um todo.

Quando restringimos demais, colocamos limites e regras, também poderemos estar cortando a expontaneidade e a criatividade das pessoas.

Como tenho comentado a respeito da (falsa) falta de talentos, nenhum talento vai se desenvolver, ou se manter, sem a possibilidade de enxergar novos horizontes e caminhar até eles, olhando e explorando o que houver no caminho.

Se tiver tempo, ainda hoje vou passar um material que acho bem interessante, a repeito de como limitar o acesso à internet, abordando sobre monitoramento versus limitação, pontos a observar, etc.

Cem anos de perdão?

Na Info comentaram sobre um site de oferece a senha de qualquer conta do Facebook por "apenas" Us$ $100. Claro que tem gente querendo se meter na vida dos outros e caindo no golpe.
Link da matéria: Contas do Facebook hackeadas por US$ 100?



Meu comentário sobre o assunto:

Isto serve como lembrete, de que no caso, quem está querendo invadir a conta de outra pessoa, está cometendo um crime.

É como o caso das famosas falsas vítimas do "conto do bilhete premiado" e outros similares. Na verdade, a pessoa que cai no golpe, está agindo de forma criminosa, mediante a possibilidade de ser mais "esperto" e passar a perna naquele "pobre coitado" que precisa vender seu bilhete premiado por um valor muito menor. Em várias oportunidades que soube destes golpes, muitas "vítimas" eram pessoas conhecidamente mesquinhas, extremamente ganaciosas e de poucos ou nenhum escrúpulos.

Lembram do ditado: "Ladrão que rouba de ladrão, tem cem anos de perdão"?

Se bem que, pensando um pouco, já que existe mercado, porque não explorá-lo? Que tal escancarar de uma vez e botar um site para intermediar a venda da própria mãe? A pessoa deposita a comissão antecipadamente pela venda que será feita de forma "garantida" e... bem, melhor deixar prá lá...

 .'.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Deus e o Anti-Cristo da Internet 2.0

Ao ler os comentários da matéria do Guilherme Pavarin, na Revista Info Online, "O homem que duvida da Web 2.0.", notei que algumas pessoas pareceram ser tocadas pelo que poderia ser um teor religioso pois alguns apelidaram o escritor inglês Andrew Keen de "Anticristo do Vale do Silício".


Meu comentário:

Parece-me que Andrew Keen crítica "o quê" é feito com a tecnologia, e não o "como".


Daí que ele logicamente utilize os recursos disponíveis.

Esta distinção é importante, pois é disto que se originam alcunhas, mesmo que extrapoladas, como de "anticristo", que na verdade, é apenas um apelido satírico.
As pessoas muitas vezes vão restringir-se ao sentido literal de palavras, perdendo a oportunidade de ler as frases escritas e seu conteúdo.
É como escutar e não ouvir. Nota-se pela leitora que critica o uso de palavras como "crentes, igreja", esquecendo que estamos falando de sociedade, tecnologia, evolução humana.

E se for mesmo o caso de perceberem que a Internet é realmente uma grande igreja, o maior templo do mundo, a face externa de Xangrilá, ou a manifestação do grande Nirvana na Terra, com crentes, devotos, místicos, sacerdotes, seguidores, etc apinhados em multidões nas portas de seu templo, instaladas em computadores ao redor de todo mundo?
A Fé tornou-se a confiança de que a caminhada será feita a cada clique do mouse, a cada Enter.
Cada website visitado será uma benção ou um desafio a ser vencido.
As respostas, que no passado, estariam restritas a locais cheirando a vela, passam a ser encontradas nos sites de busca e os confessionários preferidos, são os sites eroticos e as salas de chat.
As grandes liturgias, tornam-se em debates nos fóruns apinhados de gente suada esfregando-se ensandecidas e apertadas nos minusculos discos miniaturizados que concentram gigabytes e mais gigabytes em poucos centímetros e pelos grande e longos cabos de fibra ótica ou nos devaneios espaciais das transmissões wireless, como quentes sussurros no ouvido...
A busca e o encontro da espiritualidade nunca foi tão próximo dos que trocam sua fé por um Deus que pode ser ligado e desligado da tomada.

Mas este mesmo deus que está na tela do computador, penetra seus súditos que trocam os cultos, por longas sessões hipnóticas e envolventes, chegando com frequencia ao extase músico-religioso.

Quem vai processar Deus por estar disponível ao alcance de um click? Quem é dono da idéia de Deus para cometer a heresia suprema de que ele não existe tão perto de nós?
Ué... o que são aquelas nuvens se abrindo e o sol aparecendo tão forte? Que luz estranha é essa sobre mim? Daonde vem essa música tao linda que parece tocar em todos os lados? Por que o Santo Google de repente está falando sózinho?


Sobre Pirataria

As pessoas questionam preços, que realmente, acabam muitas vezes sendo elevados em relação ao nosso poder aquisitivo, enquanto um feirante vende uma cópia pirata por um décimo do valor ou menos.

Realmente, a facilidade de acesso, legalizada ou não, de material na internet é algo que mudou drasticamente a forma como ocorrem negócios.

Tomando música e livros como exemplo, eu sou escritor e músico semi-profissional. Tenho músicas no www.myspace.com/gilbertostrapazon e noutros sites de música. Mas pesquisando no Google, vejo minhas músicas disponíveis para download em centenas de sites do mundo todo. Mas não recebo um único centavo por isto. E não é tanto pelo download gratuito, mas porque nós não temos aqui no país, a possibilidade de receber valores de forma mais simples, como ocorre em diversos países. Por exemplo, através de cartão de crédito, como nos Estados Unidos. Lá, você pode receber valores pelo cartão. Com isto, eu poderia colocar um valor mínimo, e isto, utilizar os serviços de sites especializados, incluindo o próprio Myspace e outros, que intermediam a compra de músicas, livros, etc. Quando não existem tantos empecilhos burocráticos, e também estimulados por uma economia mais forte, as pessoas fazem questão de pagar os artistas. Nem tudo é pirateado, pelo contrário. Mercados como o Japão, onde dezenas de milhares as pessoas compram as novidades só para conhecer, e outras centenas de milhares que poderão ser potenciais interessados, representam imensos potenciais a serem explorados.

Hoje, a venda de CDs e DVDs pirateados, prejudica primeiro os artistas, que não recebem nada. Mas além destes e de todo pessoal envolvido, gravadoras, produtores, diagramadores, equipes de estúdio, etc existe um vilão (um entre muitos) que as pessoas parecem não perceber: São os fabricantes de CDs e DVDs (a mídia física). Estes, recebem 100% do valor do seu produto. Quando inventaram a fita cassete, houve a sugestão de criar impostos e taxas sobre as fitas, justamente para compensar o problema das cópias. Mas acho que deve-se pensar, em ter mais facilidade para as pessoas pagarem valores mais justos, de forma direta mesmo, na internet, seja por cartão de crédito, ou até como débito direto no celular, etc

.'.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Como pode secar a fonte da pirataria

Gostei muito deste comentário do Andrew Keen, crítico da Web 2.0, falando sobre pirataria:

"...Veja bem, não sou tão moral a respeito do roubo, não vou cortar seus dedos fora ou lhe estrangular por isso. Só peço para as pessoas medirem as conseqüências de seus atos. Isso não acontece só comigo. Veja só o caso da música, em particular. Os fãs de música vivem em função dela. Mas quanto mais roubam música, menos música terão no futuro. Se você rouba música online e paga por shows e compra camisetas dos grupos, torna-se mais aceitável, embora não sirva como justificativa para o roubo. Um fã deve monetizar aquilo que adora..."

Fonte Revista Info: O homem que duvida da Web 2.0

.'.

Veja também: Deus e o Anti-Cristo da Internet 2.0

.'.

Converter String vazia para Long em Java

Referência:
Java Error in tMap

Java não converte uma string vazia para long de forma automática.
Para isto, pode-se usar um bloco try/catch como esse:

String stringValue = "";
long longValue = -1;
try {
longValue = Long.parseLong(stringValue);
} catch (NumberFormatException e) {
longValue = 0;
}
System.out.println(longValue);

terça-feira, 15 de setembro de 2009

TI Verde - Água e Ar

Ao pensar em TI Verde, é importante lembrar que não é só de custos que estamos falando. Mas de recursos que precisam ser cuidados. E são mais frágeis do que muitos pensam.

Este interessante trabalho, mostra graficamente toda água do planeta Terra, mares, rios, lagos, nuvens, etc, formando uma única esfera.

A segunda esfera, representa toda a atmosfera coletada para formar uma esfera.


Por este trabalho, o Dr Adam Nieman foi premiado em 2004 na competição Visões da Ciência.

Espero que sirva de inspiração.

Fonte: Este post tem aparecido em vários locais, mas copiei de: Rocha levemente umida.

.'.

Rede social - Ensinar é Melhor que Castigar

A matéria da Andrea Giardino, sobre o uso do Twitter para localizar profissionais e também divulgação de informação me fez lembrar de sexo.

Sabe aquela coisa que muitos consideram feio, outras apenas mal necessário, ou suja, nojenta, impensável, e outras fazem por carinho, amor, afeto ou por diversão saudável? Pois é. Se sua vida sexual é escondida, cheia de restrições, qual vai ser a qualidade?

A mesma coisa acontece nas redes sociais e trabalho. Eu gostaria de poder trocar idéias com as pessoas durante o dia, que é quando eu vou encontrar o pessoal no escritório. Claro que como todo ser humano normal, alguma coisa particular é trocada. É saudável, faz bem, e é só ter um pouquinho de maturidade.

Mas se o acesso só pode ser feito noutros locais, fora de expediente, quem é que se encontra em casa? E quantas pessoas vão estar afim de debate técnico de noite? Claro que tem muita gente com quem conversamos nestes horários, e muitas vezes, nossas mensagens são de um dia para outro.

E tudo vai ficando de um dia para outro, e para outro e outro. Coisas são esquecidas, outras se acumulam. Parece SEXO!!! Querem esconder de você que isto existe. Ou então que isto é só coisa da cegonha.
Ah, pode ser que o funcionário vá procurar oportunidades de emprego melhor. Ou pior, pode descobrir quer existe um mundo lá fora.
Bem, ao invés de negar que sexo existe, digo, que exista um mercado profissional, que existem atualizações tecnologicas, que tal melhorar a coisa em casa?
Não é escondendo as coisas que se resolve algo. Pelo contrário. Não é voltando cedo prá casa que se evita alguma coisa, pois muito se faz durante o dia. Com ou sem consentimento.

O que cada um vai fazer, vai depender do ensino e cuidado sincero. Não existe nada melhor para evolução da consciência e maturidade, do que uma atmosfera que estimule o aprendizado, valorize o que se faz e seja francamente acolhedora.

Veja a matéria da Andrea: "Integradora YKP usa Twitter para recrutar profissionais."
(segue meu comentário lá da matéria)



Maturidade e Consciência

Bom exemplo a ser seguido.

Quem acha que internet é só para "chats" e "paqueras", é porque na verdade, age assim e quer censurar os outros, ignorando que as pessoas são muito diferentes.

A web é o canal principal de referência e contato de todas empresas de gestão minimamente atualizadas.

O acesso as redes sociais, faz parte do cotidiano das pessoas tanto quanto ter a liberdade mínima de conversar com seus colegas.

Enquanto algumas empresas ainda dificultam acesso até mesmo ao Google, outras, estão além da propaganda e estimulam o amadurecimento de suas equipes.

As redes sociais são amplamente usadas por categorias profissionais para troca de informações, atualização e até investigação. Basta observar, algumas das maiores comunidades profissionais que estão nas redes sociais.

Twitter, Facebook, Orkut, Myspace, Google, e-mails e outros tantos, infelizmente, ainda são aterrorizantes para muitas empresas que parecem achar, que atualização técnica, busca de soluções diferentes, intercâmbio profissional e tecnológico, são coisas "muito feias" a serem feitas na rua, fora da empresa. Fazendo um comparativo, é como educação sexual. Se a família não ensina direito, o aprendizado vai ser na rua. Escondido e revoltado.


Consciência funciona melhor que repressão.

.'.
.'.   .'.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...