English readers and other languages: Many posts are in portuguese, you can use the Translate button at left side.

Clique nas imagens dos artigos! Elas levam você para o site do artista que a criou e muitas
vezes tem assuntos relacionados ou outras imagens para expandir seus horizontes!
Mostrar mensagens com a etiqueta Outsourcing. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Outsourcing. Mostrar todas as mensagens

terça-feira, 26 de abril de 2011

Outsourcing ou Tráfico de Escravos Legalizado?

Sobre o sucateamento que os empresários tem feito com os profissionais locais, achando que "são muito espertos" fazendo contratações apenas pelo "menor preço", mesmo que seja para condições aviltantes.

Buscam terceirizar mas fazem isto jogando muitas vezes, seu patrimônio, suas empresas, praticamente no lixo pela falta de cuidado com que deixam tudo literalmente, "de qualquer jeito". 

Um dos casos que temos, é a contratação terceirizada de pessoal de outros países, como a Índia.

Realmente a comunidade indiana possui muitos bons profissionais. Mas custam tão barato, tão barato que vale a pena trazê-los do outro lado do mundo. E as empresas provam diariamente que não se preocupam com eles, nem se deixaram família para traz. É como buscar retirantes de zonas de flagelo para se aproveitar do recurso "baratinho". 


Sim, estou insinuando diretamente que esta exploração é um tipo de escravidão. Uma situação opressiva que também reflete no mercado local, em que os outros profissionais da área de tecnologia se vem frente a frente com propostas vergonhosas. É comum que hoje, pessoas em tarefas que não precisem este preparo, por exemplo, diaristas, tenham uma renda bruta mensal superior a programadores certificados em tecnologia de ponta. 



E quem são no caso do exemplo citado, estas pessoas que largam tudo e atravessam metade do planeta em troca de um salário miserável?


Eventualmente acesso sites de conteúdo técnico feito por indianos, e tenho encontrado bom material, com boa organização. Se bem que, tenho de concordar com vários colegas que notam que boa parte destes sites é pura cópia de outros. Sim, uma parcela enorme dos sites indianos são pura cópia do material de sites.


Por outro lado, como é a vida da população indiana? Como é a vida da população chinesa?

Que opções de trabalho eles tem, além de oferecerem-se de qualquer forma para quem aparece com o dinheiro que precisam, mesmo que seja suficiente apenas para uma vida bem modesta?

Gente, por favor, ainda existe, e muito, indústrias em que os trabalhadores dormem dentro da fábrica, embaixo das máquinas. É comum a carga de trabalho de sete dias por semana, com (talvez) uma folga a cada quinze dias. E os turnos costumam ser de 12 horas. E isto não é só nas áreas de produção. A maioria da população indiana é de baixa renda. Podem aprender a atividades melhores, mas continuam vivendo mal.


O profissional indiano recebe pouco porque precisa e não tem escolha.


Orientais em geral tem uma formação familiar e espiritual bem profunda. O chinês com sua maravilhosa cultura milenar tem conseguido coisas notáveis.  Mas a integração dos muitos mundos precisa evoluir para melhor de MAIS pessoas e não apenas de alguns poucos.


Estamos no século XXI. A senzala virtual está aumentando. Ao invés de propiciarmos meios para melhorar a qualidade de vida das pessoas, vejo buscas para conseguir mais trabalho, por cada vez menos. Certificações CMMI? Quem usa isto em relação à ampla maioria do mercado? É que nem falarem de UML. Usa-se muito na escola. Depois, dilui-se até sumir nas empresas.


Qual a realidade do mercado? Aquela que é conveniente para uns poucos?


Us$ 7.000 por ano, é o salário de muitos programadores brasileiros, qualificados, que tem família para sustentar e que, muito provavelmente, não pretendem ter o padrão de vida média dos indianos. Da mesma forma, acredito que os indianos trabalham sonhando com melhores dias, de terem uma renda mais digna. 
A maioria das diariastas que conheço tem uma renda equivalente ou bastante superior a esta. Manicures também e não precisam tanto estudo diário.


E DUVIDO, realmente, DUVIDO, que com Us$ 7.000 por ano, o indiano consiga fazer todos os cursos e universidades que os mesmos que querem as coisas quase de graça, costumam pedir. É muito fácil jogar pedra no telhado dos outros, principalmente quando não tem que pagar a conta do próprio estrago.


O mercado globaliza-se até o ponto de perdermos a competitividade como nação, porque alguns não pensam duas vezes antes de sucatear a própria fundação de sua empresa.


Se medidas como buscar profissionais noutros países, servir para DESENVOLVER aquela região, eu concordo. Senão, é apenas exploração de quem precisa, quase desesperadamente, de recursos.


Então, eu pergunto: MEXAM-SE para ONDE? Estamos aqui dizendo para as pessoas profissionalizarem-se, arcarem com custos e tudo o mais, indo em direção a serem capazes de produzir mais, para ganhar Us$ 7.000 por ano?


O mercado vai ser de quem conseguir explorar mais? Será que sempre vai haver esta fartura de mão de obra barata ou quem sabe, e acho mais provável, cada vez menos pessoas vão ter interesse nesta atividade, por deixar de trazer satisfação pessoal e profissional?


Software de qualidade NUNCA vai ser feito apenas com a utilização de novatos que custam baratinho. Qualquer produto de boa qualidade requer pessoas capacitadas. E pessoas capacitadas, não suportam indefinidamente situações que tem caracterizado a exploração, e repito, de uma senzala virtual.

Depois quando estas empresas quebram e são absorvidas pelo mercado Chinês, citando um forte concorrente, ninguém quer ser lembrado que são os próprios empresários estão atirando seus negócios no lixo, ou fronteira afora para qualquer um assumir. 


.'.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Valor de ferramentas, terceirizações, produtividade, etc

"The minimum amount of knowledge required for the task to be carried out with an acceptable degree of success."
Foto Edward Bilodeau

Valor de ferramentas, terceirizações, produtividade, etc
05/10/2009

Revisando alguns posts, estava observando este, de 2003, em que debatiamos alternativas para continuidade de sistemas desenvolvidos em Clipper.

O resultado, foi que comentamos sobre qualidade de serviço, terceirizações, além é claro, sobre o valor das coisas.

Segue-se mais um post, que colocarei aqui mais tarde, para deixar claro que não estou dizendo que grátis é ruim, muito pelo contrário.

O que estou dizendo, é que tudo tem valor e devemos cuidar de como encaramos isto.


Esta mensagem foi postada no excelente fórum Clipper-Br do Yahoo Groups, dedicado a linguagem Clipper e linguagens do padrão xBase.


Data: Qui Jun 5, 2003 2:33 pm
Assunto: Re: X-HABOUR p/Gilberto

Carlos. escreveu:

porém vc não consegue desenvolver nenhum tipo de trabalho de alta
qualidade sem que ele receba críticas.

Pura verdade.

Sandro escreveu

objetos do xBase++. Inconvenientes do xBase++: é pago, caro e ....
.......

Ôôôpa!!!

Seguem meus comentários:


O fato de ser PAGO é justamente um critério que permite que as pessoas que estão trabalhando recebam pelo seu serviço e possam no mínimo sobreviver. ISTO É UMA QUESTÃO ÉTICA, que é justamente assegurar as pessoas que recebam uma justa renumeração pelo seu trabalho. Posições públicas de que este ou aquele software é ruim porque é "pago" induzem mais ainda, aos MAUS empresários, aos que tem visão "limitada" e aos espertalhões em geral, de que podem exigir que os outros trabalhem de graça ou por valores abusivamente baixos.

Caso você não saiba, hoje em dia muitas empresas oferecem serviço "temporário", sem nenhum vínculo legal, nem estabilidade, nem horas extras, pelo mesmo que se paga para, por exemplo, um cobrador de ônibus, que é também uma profissão digna como todas as outras.

Isto é muito ruim, pois as empresas PERDEM muito mais do que pensam ridiculamente estar economizando, pois trabalhadores temporários não geram algo importante que é conhecido por "CULTURA EMPRESARIAL".

O know-how vai embora todos os meses pelo ralo da economia mal feita.

Se você tirar o açúcar, o café fica uma droga né? Além disto, algums empresas além de fazer a nociva "economia de cafezinho", fazem pior, fazem "economia de água".

Alguns resultados disto:
  1. o conhecimento é perdido e tende a surgir uma desorganização constante. Mesmo pequenos padrões são difíceis de manter e perdem-se a cada mínima mudança na equipe.
  2. na sua maioria, os profissionais não vão fazer tudo que sabem ou poderiam;
  3. não se desenvolvem realmente muitas técnicas novas;
  4. não vai existir empenho nem motivação em alguém que sabe que vai ser descartado;
  5. é uma prática predatória, portanto, fatalmente vai extinguir sua fonte.

Ferramentas pagas, ajudam a lembrar aos seus usuários, que os técnicos também são pagos. E também que a formação técnica, como treinamento, atualização e disponibilidade de recursos para aprendizado é responsabilidade das empresas e não apenas dos funcionários. Ou por acaso alguém é maluco para comprar por conta própria uma instalação completa de algum DB só para aprender como funciona e depois dar "de grátis" para empresas que não valorizam o trabalham e pagam mal?

Grandes empresas migram para Linux e outras ferramentas, porque é "de grátis". Depois seus diretores compram um terno Giorgi Armani novinho, fazem declarações modernistas lindas de morrer (de rir) na revista Info, Exame, ComputerWorld, etc enquanto reduzem o salário e despedem programadores e analistas achando que eles também devem trabalhar de graça.

Minha posição sobre software "de grátis" é amplamente pública: 
Se não tiver alguma renumeração DIGNA para quem faz e quem mantém SOU CONTRA. 
 
Isto inclui xHarbour, Linux e tudo o mais. Tudo bem que existam alguns laboratórios com "alguma" verba governamental, mas daí a não terem uma responsabilidade de gerar resultados reais, ou seja, gerar seus próprio sustento, acho muito preocupante.

Sabem por que nos países desenvolvidos Empresários (com "E" maiúsculo) investem pesado em projetos e pagam bem suas equipes?

Simplesmente porque vivem do que fazem e seus projetos visam lucro e desenvolvimento de empresas.

Quem é que vai fazer algo assim se a empresa que trabalha não precisar gerar lucro nenhum? Se o café da manhã sempre for servido na cama, a pessoa nem se levanta mais e suas pernas atrofiam.

E não, note bem, não tenho dinheiro para pagar por todas licenças de software que gostaria de ter, por isto:
  1. uso só as que posso.
  2. uso as que estão compartilhadas no mercado e que servem também como promoção de seus autores. Está de uso corrente uma versão limitada que é free e outra que é paga, o que ajuda a manter o negócio andando.
  3. sempre presto créditos a tudo que uso. É o mínimo que posso fazerpara retribuir.
  4. considero que parte de meu trabalho assalariado é ajudar a manter estas ferramentas. Ou seja, a empresa me paga para prestar colaboração no mercado.

Foto: PaDumBumPsh

Uma coisa é termos ferramentas elaboradas com a participação de milhares de pessoas, em regime de colaboração e assistência mútua, levando ao crescimento coletivo.

Agora, outra coisa totalmente diferente é alguém dedicar-se em tempo integral para algo que é entregue sem qualquer renumeração. Vai viver de que? Papai e mamãe vão sustentar toda vida? Empreguinho que titio e padrinho querido arrumaram passando por cima de todo mundo?

Veja, nem todo mundo tem a possibilidade de estar, por exemplo, literalmente "mamando" numa empresa estatal para sair por ai fazendo propaganda do software livre, quando tem seus salários gordinhos assegurados por conta de impostos cobrados das empresas (coitadas) que tem de vender e (conseguir) receber pelos seus trabalhos. Além do que, estando assegurados pelo concurso público, alguns não se importam em tratar realmente mal os coitados dos clientes que eventualmente a empresa tenha. Qualquer problema, o governo paga a conta (ou seja os impostos cobrados...)
Claro que boa parte do pessoal do funcionalismo público é boa gente, mas não sou cretino para negar que o lixo continua todinho lá, atrapalhando quem tenta trabalhar direito.

Por favor, sugiro que repense nestas palavras, pois eu realmente não posso trabalhar de graça para ninguém. Cada vez que faço isto, a energia elétrica é cortada, falta comida na minha geladeira, eu não posso comprar sequer um sapato.

Eu adoro ensinar as coisas que sei, colaborar com os demais e me entusiasmo ao desenvolver coisas novas e sofisticadas, mas de graça, eu só mostro uma fração do que sei e posso fazer. Colaboro aonde posso, mas tenho sempre a visão de que este é meu trabalho, minha fonte de sustento, portanto, preciso fazer  propaganda e mostrar um pouco do que faço para os demais.

Quanto a ser caro, tem preço para tudo. Já comentei uma frase que vi na correspondência de uma grande empresa estrangeira que explicava que:
 "a BMW não baixa o preço se você só tem dinheiro para comprar um Chevette."


Nota:
Meus comentários são minha opinião e não refletem opiniões e/ou ideais do meu empregador.



.'.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...