English readers and other languages: Many posts are in portuguese, you can use the Translate button at left side.

Clique nas imagens dos artigos! Elas levam você para o site do artista que a criou e muitas
vezes tem assuntos relacionados ou outras imagens para expandir seus horizontes!
Mostrar mensagens com a etiqueta Inteligência Artificial. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Inteligência Artificial. Mostrar todas as mensagens

domingo, 29 de maio de 2016

Cybermagick Need Intent

Maybe in a soon future, we'll see the popular "Cyber Love Spell"?
Art: Cyber Girl

Artist:Ayya Saparniyazova - Turkmenistan

Cybermagick Need Intent
29/05/2016



Alex Sumner in a recent article commented about Cybermagick: Let’s Do Cyber!
So there I was, lying awake at night, tortured by that most exquisite of agonies – “what the hell is Cybermagick?” And more to the point, what is the real difference between cybermagick and any other type of magick?

 
It’s a very interesting work, and I will try to do some adding my comments.
We still lack of a proper definition of what Cybermagick really means.
Technomagick? EletronicMagick?
Uhm. 
Cyber means something “…relating to, or involving computers or computer networks (as the Internet)…” Source: The Merriam Webster Dictionary.   

So for now, I will follow with my personal idea:  
“Cybermagick as related to using computers to do magic(k)”. 
See this is in no ways related to the many magick areas nor religions practices, Grimoires, CM, Witchcraft, Chaos, ATRs, Candles, etc.
I think Cybermagick still is a bit far to become more than an idea to start for some usefull developments.

Art: The Matrix
by Daniel Prichard -Canada
For now, all that is just data source for information and the cyber level, including internet, is really very basic on that. The way data (information), images, sounds, etc. is registered still use a method of translating that into "bits", just eletric energy alternating from 0 to 1 using a media like a hard-drive, pendrive, memory chips, etc. Multiply this by billions, billions, and all you will see is a giant big mess of 0s and 1s mixed. That famous image of data moving in the movie “Matrix” is really just poetic. That need a program (software), developed by humans to all that make sense and to execute something using that as grouped “patterns”.
And shit, please, we got bored at the most extreme point about newbies promoting debates about Matrix idea. Go back to Narnia and Harry Potter and 1001 Nights. That still is more advanced! IMHO for sure. 
Forget the high velocity of modern computers, which still are the same very basic systems used first in the past to control textile machinery. Just faster. I’m very serious about this. Go study.
I have worked developing software since the 70s and in magic/spiritual study and practice near same time. Therefore, I use to say I have a personal interest in the Human X Computer development and is interesting how many a company and human kind is related to that.
In addition, we are faraway of what the Star Trek's computer was able to do, like to process an entire solar system data in seconds and present information like "that are a planet M-class with current civilization level". But think for a second and that still is just a machine processing data. Yes, even Star Trek computer does not do magick, and even with our beloved Mr. Spock with all his Vulcan Mind Power capabilities working on it. Just to remember, Vulcans was great at mind control, a kind of magick too in someway.  


Art: Parabolic Vehicle ofConception
by Adam Scott Miller - United States
So, as cited, what the difference for the Akashic Records? My personal experience going there is: the Akasha Records register everything, at all areas and realms. For some people, myself included, entering there appears you have entered in a kind of fog place, with partial symbols floating everywhere. This is why is good to have a target to go there, and this is the "key" to find what you want. Sometime one of that symbols may appear more clear and you "get it", like a door and enter in a complete scenario. Time, events, people, thoughts, everything is registered there. You may see events and be able to get the thoughts of each people there.
Computers are really far away from this.
Even the images you see at your computer screen are not the same as a drawing done with pencil and paper. This is why many people try to put seals in their computers and that works different. When it works. 
In practice, what is working there is mind and the magician intent. Not the computer. It’s the same to visualize a seal image, but without a drawing. The computer image in no ways can be seen as a valid drawn today. It may help you to remember how the image is, but it is not the true drawn seal.
In my personal opinion, this happens because the draw at the paper have already your intent registered. It became a tool used with energy to register the information of an intent! To magick, your pencil is a more powerful tool than any tablet.  
But the computer image, even if you put your own energy and have done it using some kind of paint software, still is a mess of 0s and 1s. To have a better idea, just look closer the screen, better if you use a magnifying glass. You will see the same at a TV screen: a lot of light dots. That is not a draw in the magic(k) point of view! Its just a lot of electric points.
Get this? You can see an image at the computer, but that still is not information.
So, sorry to my university teachers and IT colleagues, it is not really information. That data is something that "appears to be" information.
But to magickal use, information must be a whole think by itself.
This is what Cybermagick will last to happens for a time. I have my ideas about what human kind need to learn before reach that. For example, our civilization technology started with the wheel and the levers. Even software still use such concepts. That is the problem. This may evolve to the next level. But let’s keep so for now.
As I see, what we have working today, using “cyber technology” and there are some good examples, are one and other good oracle software and websites. But what really work there? The intent of the reader. Get this? A bad reader with the best of all oracle tools will not get a decent result. So, there are no cyber way to do the same.
What is really acting is the intent of the reader, his expertise and capability to deal with the tools used.
And intent is just the main power behind magick.
Magicians learn about working with "The Will". AC and others in modern times just made the word more popular.
Ok, there are already many works about but I like the idea. The problem is a lot of stupid people think “do your will” means the same as “do whatever you think”.
So think on this: you only have rights when you recognizes that others also have rights. So your “Will” start in the point where you recognize others also have a Will (even if unused).
Using your Will means you must be the true owner of your intent. But what most happens is people who are ruled by politics, religions, prejudices, partial personal opinions, society, etc. They are not using their Will. They are acting like parrots. A drugs addicted is ruled by the drugs. Religion can be a drug, politics is a drug, etc. It is not you, it is someone else point of view. This is the difference.
Ok, let us keep in the “intent”. This is the needed to work on magick. Have an intent and be able to work with it for some time. This is why so many stupid people are able to make the “evil eye”, and do it often. A very negative thing for sure. They may be stupid, but still be able to fix an intent for the needed time over a target.
If the current technology is not able to even register “information” in a more decent aspect, not just data, why expect it will be able to “act” or even simulate intent?

Art: Rainforest Residence
by Matthew Attard - Australia
People who have gone deep in Crystal programming learn they are able to keep and even do more than any modern IBM computer. In the past, IBM had good evangelists who was not just promoting what they have to sell, some was real visionaries. I really miss this. I have not read something decent from them nor have seem this company nor the other big ones with interest to keep such works. Where are the good visionary’s works? I say people who works daily for the future, not immediate cheap results. Current computer companies are doing and promoting almost the same we saw at the 80s. Just with better graphics. Anything since then is just processing velocity and really few creativity nor true development.
But crystals, for example, use another methods and currently also need personal development to be able to connect and understand the information the crystal can register and process someway accordingly with the specific qualities each one may have. Sorry newagers, forgot the fantasy aspects even if that are always good to make movies and fairie tales. This is a technology still faraway of most scientist’s research. Well, I’m sure some may be trying to understand about psychometry, is a starting point. But again related to “whole information” idea.
And psychometry ideas and methods can be one of many ways to develop in the future a working Cybermagick.
The capability to a computer (with its software) to connect with the whole information related to some event.
This is the point when we will see something really new start: connect to information and be able to deal with it.
However, remember, as commented, magick is based on “intent”. And how you learned and develop to made it.

To finish, in my point of view, Cybermagick will become true when such mechanisms become able to “make and act” on an intent using “whole information”. Not just the current mess of 0s and 1s, but whole information under an intent.  
Easy to think a clay done Golem or Thralls are still more advanced in the aspect of “act”. The problem is how they work with the information they receive, and here become another point, how to ask or command, reasoning and etc. Uhm, remember HAL 9000 from the 2001 A Space Odissey?

P+

.'.


quinta-feira, 18 de julho de 2013

Software - Simplificação Inteligente é Trabalho do Desenvolvedor

As fotos mostram um belo exemplo de design bem bolado. 
Software bem feito também pode ser assim.
Multiplo by HeyTeam

Software - Simplificação Inteligente é Trabalho do Desenvolvedor
18/03/2010

Em resposta ao artigo "A Dificuldade da Simplificação", de Letícia Polydoro publicado no site Baguete. 

"Menos é mais. Esta sábia frase foi dita em 1919, por Mies van der Rohe, sintetizando a filosofia da renomada escola de design e arquitetura alemã Bauhaus que fez história. Que impacto teria essa frase dita por um arquiteto do século passado nas nossas empresas de tecnologia atuais?"


Meu comentário


Simplificar é agregar inteligência ao sistema. Acho muito oportuno os comentários sobre a tendência dos programadores, quanto a colocarem excesso de recursos de software numa mesma tela, ou num mesmo programa.

Excessos de mecanismos são prejudiciais, tanto quanto a falta de funcionalidade que observamos em muitos sistemas.

Um programa inteligente, ou que utilize conceitos de sistemas especialistas, deve ter previsão no seu funcionamento para executar, sem esperar pela solicitação do usuário, muito mais do que os tradicionais 10% a 20% (quando muito) do que a ampla maioria dos analistas e programadores fazem.

Infelizmente por aqui, o nível de requerimento das empresas para gerar bons resultados desenvolvendo recursos melhores para suas atividades fim (ou seja gerar lucro ao invés de só cuidar de economizar papel higiênico), costuma ser tão baixo quanto seu descaso em formação de equipes e estrutura adequada. Mas continuam gastando fortunas em propaganda para fingir que são modernas, mostrando até Ferraris quando só querem pagar por fusquinha para não gastar nem com água.
Não existe milagre no desenvolvimento de software profissional para gerar verdadeiros e bons resultados. E não adianta ficarem publicando aquela tantos estúpidos artigos sobre "falta de jovens talentos". Tradução: querem novatos sem experiência mas que sejam gênios de nascença (existe um a cada 10 milhões talvez) e com o poder de um deus e com salário de faxineiro. Por favor me desculpem os zeladores que cuidam de manter nossos ambientes limpos por favor.

Desenvolver com inteligência deve ser abrangente tanto em termos do que é o mínimo a fazer (nem isto vemos tantas vezes), seja otimizando a navegação entre campos, telas, etc., seja efetuando pré-processamentos, ou por outro lado, realizando uma grande quantidade de tarefas pela dedução (mecanismos de inferência) das atividades e passos complementares que o usuário vai realizar, o sistema deve fazer mais com menos.

Mas também, lembremos que fazer mais na interação com o usuário, também deve seguir um conceito de “menos é mais”. Eliminar interações desnecessárias, atuar como um expert na atividade que realiza, são atributos de um programa inteligente.

Uma interface bem feita é importantíssima. E fazer com que esta interface tenha um funcionamento de alto nível, é mais ainda.

Existe uma relação inversa entre cada recurso que o programa disponibiliza facilitando a vida do usuário e a quantidade de trabalho de programação necessária para criar seu funcionamento. Ou seja, quanto mais simples (e poderoso) para o usuário, a tendência é de que haverá muito mais trabalho para o programador.

Existe certa resistência entre trabalhar para criar soluções inteligentes de software, amigáveis ao usuário final e, desenvolver objetivando facilitar a vida do programador ou de usar aqueles recursos que este está interessado.

Devemos lembrar, nosso trabalho é para o usuário final, não para nós mesmos. Imagine um restaurante em que o cozinheiro tende a ignorar o gosto dos clientes, e impor seus gostos pessoais, mesmo que o restaurante acabe ficando quase vazio, ou que o pessoal da cozinha nem consiga limpar os pratos depois.

É importante interagir com os usuários para avaliar suas necessidades. Mas também, pela experiência, aprendemos que apenas reuniões não fornecem tudo que precisamos saber. Um certo distanciamento, como apenas estar por perto, observando o que os usuários realmente fazem quando estão por sua própria conta, fornece muitos pontos importantes.

Outra coisa importante de lembrar, é que o processamento faz parte da interface, tanto quanto quaisquer retornos fornecidos ao usuário. Uma mensagem de erro que não seja extremamente clara e precisa sobre o ponto e o que causou um problema, é inútil.
Inclusive, neste aspecto, tratamentos de erro devem ser inteligentes sim! Veja, voltando para o exemplo comparativo do restaurante, boa parte dos programas que vemos por aí, servem arroz queimado para o cliente. Se o cozinheiro viu isto, deve por sua própria conta preparar outro arroz, trocar os pratos e servir o cliente, e também avisá-lo sobre a demora se for o caso. Um programa razoavelmente bem feito tem que ter estas características.

Dá trabalho? Sim, dá muito trabalho. Mas este é o meu trabalho e a minha opinião. Eu não acredito em fazer “programinha” e tenho pavor de trabalhos sem um pingo de acabamento ou interfaces precárias. Acredito que nossa área é trabalhar na interação Homem X Máquina e que isto faz parte do processo de evolução social, econômica, científica, enfim, de tudo em que poderemos realizar e melhorar com a utilização dos computadores.

Nosso trabalho é criar boas soluções, dentro é claro, dos recursos disponíveis, mas que devem ser necessários para o que se pede. Não existe sistema de grátis, assim como nenhum restaurante distribui comida. Pode ser um sanduíche, mas pode ser bem feito e ter um guardanapo para acompanhar.
Se o cliente do restaurante deve pegar uma mesa, buscar as cadeiras, levar o pedido na cozinha, comer qualquer coisa que seja servida, ou então receber a comida numa dúzia de potinhos separados e ainda descobrir que é ele quem tem de lavar a louça porque o pessoal da cozinha não gosta, é algo de se pensar. Vemos isto acontecer em software a toda hora e é preciso melhorar. Temos excelentes exemplos no mercado internacional, e não estou falando das megacorporações de software.

E também é possível fazer tanto trabalho de forma simples. De que adianta tantos frameworks se isto não for usado justamente para otimizar a qualidade e a produtividade? A barbaridade que virou o uso da linguagem Java é um exemplo catastrófico de como conseguiram piorar toda experiência acumulada por décadas com o Cobol. Cada empresa tem uma "coisa" tipo framework de Java que não tem nada a ver com o resto. Todo mundo quer sentir-se importante inventando mais um framework apesar da solução já existir por toda parte. Mas não. O ego, a vaidade tem falado tão alto que é realmente uma temeridade olhar cada nova proposta na área. 
Não está na hora de pararem de reinventar a roda o tempo todo?

Mas mesmo assim, se usarem inteligência aquela coisa que faz parte do cérebro, (sim existe algo dentro da cabeça, acreditem), pode-se criar grandes resultados, com simplicidade. Mas é preciso pensar, estudar, aprender sobre interações humanas e empresariais, observar o mundo ao redor.

Um software simples de usar pode ser não tão trabalhoso de fazer. Mas se tiver que ser que seja, mas também, já como o alicerce para um próximo passo em que podemos utilizar aquilo que aprendemos e realizamos. Ou seja, um trabalho bem feito, mesmo que difícil, vai facilitar o que for feito depois.


.'.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Inteligência Artificial no Futuro - A Soma Que Multiplica.

Muito do que supostamente seria chamado de "inteligência", nada mais é do que simples repetição de padrões. Isto inclui boa parte das atividades diárias das pessoas.

Muitas das nossas decisões, também são mero fruto de procedimentos que inconscientes ou não, são automáticos.

Isto tudo é passível de ser reproduzido, basta que pensemos que os mecanismos de processamento de lógica, estarão sendo programados em partes, que não precisam estar juntas.

Temos hoje uma capacidade incrível de armazenagem de dados, coisa quase impensável pouco tempo atrás.

Claro que ainda convivemos com imensas bibliotecas de dados armazenados em fitas magnéticas, o mesmo ocorrendo, por exemplo, com o acervo das emissoras de TV e quaisquer outros ramos que necessitem armazenagem para eventual acesso.

Quanto maior for a quantidade de informações disponíveis, para acesso imediato, maior o conjunto de dados disponíveis para processamento e obtenção de um determinado resultado.

Se tomarmos a internet como exemplo, em que milhões de sites fornecem cada um, uma pequena fração de um determinado processo de análise, ao juntar tudo teremos o que pode parecer raciocínio lógico.

Por exemplo, um site fornece a condição da meteorologia para um determinado local. Outro site fornece o mapa da região. Outro ainda, fornece dados sobre condição de trânsito. Outro sobre quais estabelecimentos estão naquela zona. Pode-se ter, então, um programa, que vai buscar todos estes fragmentos, para responder a pergunta "Aonde estacionar em caso de chuva". Será uma única pergunta, envolvendo diversos computadores.

Multiplique isto pela disponibilidade de milhões de computadores em rede, rodando milhões de programas deste tipo, capazes, cada um, de solucionar uma questão básica. O conjunto resultante será capaz de fornecer resultados bastante próximos ao do cidadão médio comum.

Lembram do cachorro robot da Sony, o Toy Bot? Ele simula com bastante eficiência um animal de estimação e ainda, podia receber melhorias no seu software. Imagine ligar ele numa rede de processamento como a sugerida acima.

Ficção científica? Não. É só lembrar que muitas decisões em negócios, tem sido feitas automaticamente por programas de computador. Análise de crédito, compra e venda de ações na bolsa, atender clientes em lojas virtuais...

Claro que falta em muitas destas interfaces, um rostinho mais bonito do que aquelas telas com carrinho de compras, mas é só uma questão que o pessoal ainda não se deu muito em conta de melhorar. Felizmente, já existem várias empresas trabalhando nisto e dispondo no mercado, avatars que simulam a expressão humana de alguma maneira.

.'.


Comentário publicado em 10/09/2009 na Revista Info - O Futuro da Inteligência Artificial.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...