English readers and other languages: Many posts are in portuguese, you can use the Translate button at left side.

Clique nas imagens dos artigos! Elas levam você para o site do artista que a criou e muitas
vezes tem assuntos relacionados ou outras imagens para expandir seus horizontes!
Mostrar mensagens com a etiqueta Inovação. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Inovação. Mostrar todas as mensagens

domingo, 29 de maio de 2016

Cybermagick Need Intent

Maybe in a soon future, we'll see the popular "Cyber Love Spell"?
Art: Cyber Girl

Artist:Ayya Saparniyazova - Turkmenistan

Cybermagick Need Intent
29/05/2016



Alex Sumner in a recent article commented about Cybermagick: Let’s Do Cyber!
So there I was, lying awake at night, tortured by that most exquisite of agonies – “what the hell is Cybermagick?” And more to the point, what is the real difference between cybermagick and any other type of magick?

 
It’s a very interesting work, and I will try to do some adding my comments.
We still lack of a proper definition of what Cybermagick really means.
Technomagick? EletronicMagick?
Uhm. 
Cyber means something “…relating to, or involving computers or computer networks (as the Internet)…” Source: The Merriam Webster Dictionary.   

So for now, I will follow with my personal idea:  
“Cybermagick as related to using computers to do magic(k)”. 
See this is in no ways related to the many magick areas nor religions practices, Grimoires, CM, Witchcraft, Chaos, ATRs, Candles, etc.
I think Cybermagick still is a bit far to become more than an idea to start for some usefull developments.

Art: The Matrix
by Daniel Prichard -Canada
For now, all that is just data source for information and the cyber level, including internet, is really very basic on that. The way data (information), images, sounds, etc. is registered still use a method of translating that into "bits", just eletric energy alternating from 0 to 1 using a media like a hard-drive, pendrive, memory chips, etc. Multiply this by billions, billions, and all you will see is a giant big mess of 0s and 1s mixed. That famous image of data moving in the movie “Matrix” is really just poetic. That need a program (software), developed by humans to all that make sense and to execute something using that as grouped “patterns”.
And shit, please, we got bored at the most extreme point about newbies promoting debates about Matrix idea. Go back to Narnia and Harry Potter and 1001 Nights. That still is more advanced! IMHO for sure. 
Forget the high velocity of modern computers, which still are the same very basic systems used first in the past to control textile machinery. Just faster. I’m very serious about this. Go study.
I have worked developing software since the 70s and in magic/spiritual study and practice near same time. Therefore, I use to say I have a personal interest in the Human X Computer development and is interesting how many a company and human kind is related to that.
In addition, we are faraway of what the Star Trek's computer was able to do, like to process an entire solar system data in seconds and present information like "that are a planet M-class with current civilization level". But think for a second and that still is just a machine processing data. Yes, even Star Trek computer does not do magick, and even with our beloved Mr. Spock with all his Vulcan Mind Power capabilities working on it. Just to remember, Vulcans was great at mind control, a kind of magick too in someway.  


Art: Parabolic Vehicle ofConception
by Adam Scott Miller - United States
So, as cited, what the difference for the Akashic Records? My personal experience going there is: the Akasha Records register everything, at all areas and realms. For some people, myself included, entering there appears you have entered in a kind of fog place, with partial symbols floating everywhere. This is why is good to have a target to go there, and this is the "key" to find what you want. Sometime one of that symbols may appear more clear and you "get it", like a door and enter in a complete scenario. Time, events, people, thoughts, everything is registered there. You may see events and be able to get the thoughts of each people there.
Computers are really far away from this.
Even the images you see at your computer screen are not the same as a drawing done with pencil and paper. This is why many people try to put seals in their computers and that works different. When it works. 
In practice, what is working there is mind and the magician intent. Not the computer. It’s the same to visualize a seal image, but without a drawing. The computer image in no ways can be seen as a valid drawn today. It may help you to remember how the image is, but it is not the true drawn seal.
In my personal opinion, this happens because the draw at the paper have already your intent registered. It became a tool used with energy to register the information of an intent! To magick, your pencil is a more powerful tool than any tablet.  
But the computer image, even if you put your own energy and have done it using some kind of paint software, still is a mess of 0s and 1s. To have a better idea, just look closer the screen, better if you use a magnifying glass. You will see the same at a TV screen: a lot of light dots. That is not a draw in the magic(k) point of view! Its just a lot of electric points.
Get this? You can see an image at the computer, but that still is not information.
So, sorry to my university teachers and IT colleagues, it is not really information. That data is something that "appears to be" information.
But to magickal use, information must be a whole think by itself.
This is what Cybermagick will last to happens for a time. I have my ideas about what human kind need to learn before reach that. For example, our civilization technology started with the wheel and the levers. Even software still use such concepts. That is the problem. This may evolve to the next level. But let’s keep so for now.
As I see, what we have working today, using “cyber technology” and there are some good examples, are one and other good oracle software and websites. But what really work there? The intent of the reader. Get this? A bad reader with the best of all oracle tools will not get a decent result. So, there are no cyber way to do the same.
What is really acting is the intent of the reader, his expertise and capability to deal with the tools used.
And intent is just the main power behind magick.
Magicians learn about working with "The Will". AC and others in modern times just made the word more popular.
Ok, there are already many works about but I like the idea. The problem is a lot of stupid people think “do your will” means the same as “do whatever you think”.
So think on this: you only have rights when you recognizes that others also have rights. So your “Will” start in the point where you recognize others also have a Will (even if unused).
Using your Will means you must be the true owner of your intent. But what most happens is people who are ruled by politics, religions, prejudices, partial personal opinions, society, etc. They are not using their Will. They are acting like parrots. A drugs addicted is ruled by the drugs. Religion can be a drug, politics is a drug, etc. It is not you, it is someone else point of view. This is the difference.
Ok, let us keep in the “intent”. This is the needed to work on magick. Have an intent and be able to work with it for some time. This is why so many stupid people are able to make the “evil eye”, and do it often. A very negative thing for sure. They may be stupid, but still be able to fix an intent for the needed time over a target.
If the current technology is not able to even register “information” in a more decent aspect, not just data, why expect it will be able to “act” or even simulate intent?

Art: Rainforest Residence
by Matthew Attard - Australia
People who have gone deep in Crystal programming learn they are able to keep and even do more than any modern IBM computer. In the past, IBM had good evangelists who was not just promoting what they have to sell, some was real visionaries. I really miss this. I have not read something decent from them nor have seem this company nor the other big ones with interest to keep such works. Where are the good visionary’s works? I say people who works daily for the future, not immediate cheap results. Current computer companies are doing and promoting almost the same we saw at the 80s. Just with better graphics. Anything since then is just processing velocity and really few creativity nor true development.
But crystals, for example, use another methods and currently also need personal development to be able to connect and understand the information the crystal can register and process someway accordingly with the specific qualities each one may have. Sorry newagers, forgot the fantasy aspects even if that are always good to make movies and fairie tales. This is a technology still faraway of most scientist’s research. Well, I’m sure some may be trying to understand about psychometry, is a starting point. But again related to “whole information” idea.
And psychometry ideas and methods can be one of many ways to develop in the future a working Cybermagick.
The capability to a computer (with its software) to connect with the whole information related to some event.
This is the point when we will see something really new start: connect to information and be able to deal with it.
However, remember, as commented, magick is based on “intent”. And how you learned and develop to made it.

To finish, in my point of view, Cybermagick will become true when such mechanisms become able to “make and act” on an intent using “whole information”. Not just the current mess of 0s and 1s, but whole information under an intent.  
Easy to think a clay done Golem or Thralls are still more advanced in the aspect of “act”. The problem is how they work with the information they receive, and here become another point, how to ask or command, reasoning and etc. Uhm, remember HAL 9000 from the 2001 A Space Odissey?

P+

.'.


quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Negócios São Entre Pessoas.

 Business Meeting
Foto: Clumsy Juggler


Referente meu comentário no forum da Linkedin da IBM São Paulo:

"Pessoas não fazem negócios com empresas. Pessoas fazem negócios com pessoas

Pessoas não fazem negócios com empresas.Pessoas fazem negócios com pessoas. Por que e como tornar-se um Negócio Social ..."


Meu Comentário:

Muitas empresas ainda questionam redes sociais nos mais básicos de seus aspectos: a interação entre pessoas humanas. A tecnologia ajuda muito quando bem usada.
Citando um artigo em que comento sobre a preferência de lidar com pessoas, "Empresas com Dono":

"É comum a preferência pelo "Armazém do Seu Zé". As pessoas sabem quem é o Seu Zé.
Em grandes empresas, existe um distanciamento, mas as pessoas sabem quem é o dono.
Já nas corporações impessoais a expressão negativa"coisa de empresa que não tem dono" é comum."
 
 


É óbvio que certos negócios são com grandes empresas. Mas existem muitas e muitas companhias de tamanho grande com as quais simplesmente não se sabe com quem está falando*.
Claro que prefiro um computador Dell** do aquelas "coisas" que alguns montam com componentes vindos sabe-se lá donde.

Quem for como eu, mais um insatisfeito cliente de operadora de telefonia (o que inclui uns 98% dos meus colegas e conhecidos) sabe o que é empresa sem dono.
Existe uma barreira formada pelos atendentes e ninguém sabe quem são certos Zé-Ruela em cargos de gerente/diretor que tomam algumas das decisões mais absurdas e que são amplamente criticadas e de longe o maior motivo das milhares de queixas na justiça e Procon.

O termo que usei é pejorativo para alguém? Zé-Ruela é feio? E o que fazem com as pessoas e empresas o que é então? Lamento, mas um anônimo que se esconde atrás do cargo dificilmente vai aparecer e dar as caras (ter caráter) para assumir publicamente o que fez. E não vale citar pesquisa comprada em agência de propaganda.

Em tantas outras companhias, eu sei com quem estou falando. Não é um funcionário usado como escudo para filtrar só o que convém para os que estão por traz.
A empresa pode ter 50.000 funcionários e mesmo assim ser acessível para os clientes ter acesso aos seus vários escalões e saber QUEM faz o quê e quem realmente bota o nome no que faz. Anônimo não é ninguém. 

Pode ser o armazém do Zé, pode ser a Mega-Corp. É tudo uma questão de abordagem e de como as pessoas trabalham e são tratadas lá dentro.

Pessoalmente odeio empresas que arrancam o couro dos funcionários e depois pagam propaganda bonitinha. Olhem a idade média da equipe e o tempo de casa. Aguentam uns poucos anos, fogem ou são chutados fora, ou enfartam prematuramente e são descartados.

Conheço gente que trabalha/ou na Dell. E também apenas "sei" de pessoas que estão nas telefônicas, mas geralmente não falam onde trabalham porque o festival de reclamações imediato é certo. Olha, quando as pessoas tem vergonha de dizer onde trabalham é porque o problema é muito maior. Citando o caso dos gerentes/diretores anônimos, quando estes escondem onde trabalham é pior. Não vale citar evento VIP fechado (local seguro) para distribuir supostas premiações compradas em agências de marketing.

Lidar com pessoas não é CRM, não é metodologia, não é método, não é sistema. É lidar com GENTE.  Se não houver compreensão e consciência de nada adianta ler todos tipos de livros de autoajuda e adotar as técnicas de gerenciamento da moda que trocam todo ano.

Quantas destas empresas com ISO são realmente boas de trabalhar ou tem bons produtos? Falando sinceramente, quantas? De novo, não vale pesquisa feita por agência de marketing.

Se você quiser ser bom no seu ofício, aprenda todas as técnicas da profissão. Mas se quiser um dia ser um Mestre no que faz, aprenda sobre as pessoas, começando por você mesmo.

A grande corporação que se torna apenas máquina, pode até fazer bons produtos mecanicamente repetidos. Padronizam até os funcionários, determinam como vestir, o que fazer, falar, pensar. Em nome do falso politicamente correto podam, cortam fora a naturalidade das imperfeições humanas impondo um padrão de restrições e censuras. Mas esquecem de que em princípio as pessoas que são criativas e tem iniciativa não querem ficar amarradas, muito menos por um monte de bobagens ou de coisas que parecem as regras do algum convento. E que pessoa seria o padrão de pureza tão elevado assim para criticar tanto? Você? Ou quem sabe algum deus ou será alguém que nunca precisou lavar a louça e acha horrível que alguém ajude em casa? Vejam o exemplo de grandes corporações literalmente perdendo mercado pela falta de criatividade e até assumindo isto publicamente, como foi o caso da Nokia.


Notas:
*Não tenho qualquer relação com nenhuma das empresas citadas exceto como cliente ou consumidor. **Eu não tenho computador da Dell.A citação é ilustrativa.


.'.

sábado, 12 de maio de 2012

Meditaçao Empresarial - Sementes de Pontos de Vista

Falta a visão maior nos gráficos.Uma foto pode informar mais.
Como você olha para isso, quem fez e o resultado, o que transmite?
Ilustração: SEOServicesCumbria


Meditação Empresarial não se trata de transformar sisudos executivos para que vistam fantasia de monge, sentem-se de maneira desconfortável (para eles) em lindas almofadas indianas numa sala decorada para parecer um ambiente de lojinha esotérica repleta de fumaça de incenso.

Meditação é voltar-se para dentro de si, encontrar o silêncio interior, descobrir o universo em si mesmo. Mas são tantas maneiras, técnicas, métodos, escolas de pensamento. Culturas muitas vezes tão diferentes das que conhecemos.

Para muitos é maravilhoso apreciar ao vivo outras tradições e participar de sua vida espiritual.
Passar alguns meses em contemplação na Índia, se alimentar da imensa energia dos Fiordes da Noruega, mergulhar nas trilhas e cavernas da Chapada Diamantina, voltar-se para dentro de si contemplando as grandes Pirâmides que existem em vários locais do planeta.

São tempos que podem causar uma grande evolução pessoal e espiritual. Mas o lugar não vem junto na bagagem. Porém trazemos o fruto da vivência.

A pessoa volta, transformada, diferente, algo foi descoberto em si mesmo.


Acontece que cada local, cada país, cada região tem sua própria energia. Não é apenas a paisagem e o idioma que muda.

Toda uma cultura social é diferente a poucos quilômetros de distância do local em que você vive. Um bairro é distinto de outro.

Existe algo mais nesta diferença e não são apenas as pessoas que habitam aquele lugar que fizeram isto.

Existem energias na natureza, cada local tem seus elementais que evoluíram ali por milhões de anos.

Podemos captar suas energias e ir lá nos alimentar de vez em quando.

Mas onde vivemos e trabalhamos a energia é outra.

Então o que fazer? O que ocorre?

O ponto a observar aqui, é que podemos mudar nossa percepção das coisas. Abrir a visão.

Note bem: mudar a percepção. Abrir os olhos para o mundo exterior e interior. 

Essa mudança de percepção é o que falta em tantas empresas, que acabam sufocadas por suas próprias limitações. 

Gosto de meu trabalho desenvolvendo software, mas isso é algo que tem como objetivo final o próprio ser humano. A empresa é apenas um meio para que algo seja realizado. Então voltamos ao ser humano. 
Um dos hábitos que tenho no meu trabalho, é andar por todas áreas da empresa e apenas olhar as pessoas. Isso faz toda diferença no meu trabalho. Quando olho as pessoas nas suas atividades, estou vendo o que fazem, como se sentem, como interagem com as demais, se suas atividades fluem naturalmente ou se tem problemas. O mesmo para as relações humanas no trabalho, muitas são resultado justamente dos próprios problemas da empresa. E é claro, a computação, a tecnologia da informação, faz parte disso. 
Isso é uma forma de meditação em movimento. 

Lembre: a tecnologia da informação deve servir as pessoas, e não as máquinas. 
É muito interessante notar o quanto os sistemas da empresa revelam como são os aspectos emocionais e pessoais da direção da empresa, inclusive seus familiares. É como olhar um mapa neural que vai desde o topo até o ponto mais periférico.


É muito fácil ser um monge num remoto mosteiro isolado no Tibete. Mas e na cidade, em sua casa ou na empresa? Na sua vida diária?

Voltando então ao gráfico que ilustra o início deste artigo. É apenas mais um desenho limitado.

Pergunto: e se você mudar a visão dos seus negócios, seu ponto de vista,  fizer coisas diferentes, enxergar o seu mundo de uma maneira diferente?

A imagem abaixo reflete melhor e de forma muito mais abrangente o que seria transformado num gráfico comum.

Vôo de balão sobre os férteis campos do Nilo, Egito.
Um gráfico comum lhe daria uma idéia assim daquele país?
Foto: © Libyan Soup

Pergunto: Como é que você conhece e avalia seu mercado? Estatísticas? Quem sabe aquelas maravilhosas pesquisas de opinião feitas por alguma agência que está mais preocupada em garantir o contrato, assim vai fazer de tudo para lhe agradar, como uma cortesã de luxo que só faz o que você gosta?

Quantas vezes por mês você sai do escritório e faz algo realmente diferente? Você andaria neste balão para ter uma visão completamente diferente e enriquecedora de sua atividade?

Posso sugerir pontos de vista, sacudir sua cabeça, debater sobre algo. Não se trata de apenas concordar e sim de buscar o despertar.

Coisas simples do cotidiano, podem ter reflexos em todas suas atividades. Por exemplo, aprender a abençoar a comida antes da refeição, agradecer verdadeiramente pelo momento, já é uma imensa mudança na vida de muitas pessoas. Aquele instante torna-se sagrado e isto terá resultados noutros momentos. Até de forma inconsciente, pois colocamos um ponto de observação e disciplina que te faz observar por alguns instantes o que está fazendo ao invés de apenas enfiar a comida goela abaixo. 

Quantas vezes você para alguns instantes para meditar antes de iniciar uma atividade? A simples "Meditação Minuto" é algo que pode mudar muito seu grau de atenção e interesse antes de cada atividade.Ou você é daqueles que pula de uma reunião para outra sem ao menos ter um único minuto para você? Quanto este único minuto de pausa pode custar? 

Quem sabe gastar um único minuto para refletir? Veja, quantas e quantas vezes chegamos nalguma empresa, para um grande negócio e a recepção parece a ante-sala do inferno? Recepcionistas cheios de tarefas que deveriam estar noutro departamento, e que mal tem tempo para receber as pessoas dignamente? Sabe aquela recepção que agora tem de distribuir correspondências, fazer todo tipo de trabalho administrativo e quem sabe, se sobrar tempo, atender quem chega? 
Tenho certeza que não é nenhuma novidade se você foi num empresa grande, e ficou literalmente plantado esperando que a recepcionista tivesse tempo para lhe atender, e mal humorada. Sabe o que é isso? Prejuízo! Seu cliente, fornecedor ou visitante imediatamente vai mudar seu estado de humor para defensivo e até agressivo.
Alguém achou melhor economizar o salário de outro funcionário, sobrecarregou a recepção e com isso, seus clientes e fornecedores tem uma imediata e inevitável péssima impressão de sua empresa. A economia de algum outro salário compensa o que certamente vai ser um negócio perdido ou mal feito? E certamente o que se vai gastar em publicidade depois vai ser muito mais caro.

Um minuto mal aproveitado, ou usado em excesso pode custar a perda de tantas horas, meses, quem sabe todo um trabalho!



Entende porque falo em mudar sua percepção? 

São sementes que vão crescendo. 

Mas lembre, não se pode impor isto sobre as pessoas. 
Nenhum método vai lhe trazer resultados se não forem algo que tenha crescido de dentro para fora no coração de cada um. É por isso que tantas metodologias fracassam rapidamente, porque a maioria delas, apenas força as pessoas a agirem mecanicamente, como máquinas, destruindo sua capacidade e criatividade.

Empresas criativas, produtivas, só acontecem quando existe um verdadeiro fluir.

O que você quer na sua empresa? O fluir de um encanamento forçado por bombas mecânicas (e que vão certamente quebrar) ou o fluir livre dos rios?


.'.

Leia também:

.'.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Máquinas, Robots - Cadê a Humanidade?

Foto: Phil (Beast 1), França

Estas máquinas são incríveis. Gosto de assistir documentários sobre tecnologia e desde criança adorava estudar a vida dos grandes inventores.

Mas lembro que muitas destas invenções servem apenas para aumentar a produção, em detrimento das pessoas.

Máquinas são boas quando ajudam em tarefas perigosas, ou que seriam difíceis demais para as pessoas.

Por exemplo, uma lixadeira, ou até mesmo máquinas para descascar árvores.


Algumas máquinas são ótimas. Outras são um exagero. Algumas, um abuso.



Agora, quando tiram o trabalho de muitas pessoas a coisa muda bastante. Um robot de linha de montagem, uma máquina de colher cana, tira o emprego de centenas, até milhares.
E os ditos "empresários" ainda se perguntam porque estas pessoas deixam de consumir, ou demoram a conseguir outro trabalho.

Estas máquinas são caríssimas. Seu valor, muitas vezes é o mesmo (ou muito mais) que o salário dos trabalhadores, treinamento, etc que seriam necessários para fazer o mesmo serviço.

Porém, trabalhadores humanos precisam descansar.
Humanos estão sujeitos a problemas de saúde por condições insalubres ou perigosas.
Humanos reclamam quando as coisas não são satisfatórias.

Máquinas produzem sem reclamar.
Não falam da sujeira, nem do mau cheiro quando existe.
Máquinas não participam de sindicatos.


Não cogitam em fazer greve nem pedem aumento.

Máquinas não mudam sua produção se a máquina do lado quebrar. Nem se alguém do grupo estiver com algum problema sério. Muito menos, são afetadas pelos resultados de algum jogo esportivo ou pela política.

No máximo, a máquina precisa alguma manutenção de vez em quando.
Se estiver bem regulada, vai produzir um determinado resultado previsível de forma contínua.
Quando a máquina deixa de ser útil, é apenas jogada fora sem reclamar, sem ficar batendo na porta de alguém, sem ficar preocupada se vai passar necessidade.

Então, muitas vezes, a suposta economia está no corte de custos humanos, no corte do papel responsável dos dirigentes que preferem o cômodo e aparentemente fácil caminho da omissão.

Mas quando a empresa participa da comunidade, existem formas conscientes de gestão em que a maior parte do que seria problema para alguns, tornam-se pontos positivos para a empresa.

Se a empresa tem a visão de que é também um organismo social, que faz parte de uma coletividade e procura atuar junto dos demais, os resultados podem ser excelentes.

Que tipo de organismo social é sua empresa? Um organismo que interage com os demais de forma colaborativa? Ou será um predador? Quem sabe, mais uma sanguessuga.

O que sua empresa produz em termos de valores humanos e sociais, que são os verdadeiros objetivos para qualquer cadeia produtiva? Seja o que for que sua empresa faça, ela tem como meta os clientes, o público, a sociedade.

É como plantar sem nunca cuidar da terra. Pode-se ter alguma colheita, mas logo perde-se o chão. Alguns são predadores, faturam e abandonam a terra e procuram outro lugar para sugar.

As máquinas deveriam ser feitas tomando o ser humano como medida. Para ajudar na sua tarefa e não para jogá-lo no meio da rua. Para onde ele irá? Você está preparado para encontrar esta pessoa daqui algum tempo e saber que é diretamente responsável ou até culpado pela sua situação?
Ou seja, o que você faz como empresa realmente é algo bom para os demais?

Ao invés de monstruosas máquinas enormes, quem sabge seria melhor pensar em unidades menores, até mesmo indivíduais. Manteriam as pessoas e estas poderiam realmente ser mais produtivas, ter melhor qualidade de vida e teriam tempo para aprender mais, criar coisas novas. Deixariam muitas vezes de trabalhar tanto, poderiam até aumentar a produção, com mais qualidade. E até com uma renda pessoal melhor.

Algumas máquinas existem apenas para satisfazer o ego de alguém. Tirando a megalomania de algum cientista, são inúteis. "Olha mamãe, fui eu que fiz!"...

Humanos, precisam de manutenção sempre. Física, espiritual, emocional. Seres humanos precisam evoluir como pessoas.

Máquinas parecem não ser motivo de consciência pesada, uma vez afastado os humanos.

Se a automação acabar com os empregos, é pura ingenuidade e estupidez falarem que estes desempregados terão que buscar especializações. Vide os trabalhadores do campo por exemplo. Uma única máquina pode tirar o emprego de centenas. Porém só vai ter vaga para dois ou três especializados. E todos os demais? 
Automação em grande escala é ruim. É necessário substituir as grandes máquinas, por outras menores e mais inteligentes, mas que sejam feitas para as pessoas. Ao invés de trocar mil trabalhadores por uma máquina, por que não fazer máquinas menores, usadas or todos, que proporcionem melhor qualidade no que fazem? Muito do que se faz hoje na área, visa mesmo é acabar com reclamatórias trabalhistas por más condições de trabalho. As máquinas não reclamam.E os que tem cobiça demais, ou vaidade demais por seus inventos, não gostam de ouvir queixas nem de ser contrariados.

Máquinas são uma coisa boa, quando bem usadas, quando adequadas ao que se destinam: o bem de todos.


Usada sem exageros, a tecnologia é benéfica.
Foto: Jean (safran83), França


NOTA IMPORTANTE: As imagens são meramente ilustrativas e foram procuradas apenas pelo seu contexto ilustrativo e valor artístico. O autor deixa claro que o artigo é de natureza geral e não pretende ofender, ameaçar, injuriar, caluniar, nem prejudicar de qualquer forma os fabricantes dos equipamentos ilustrados. A intenção do artigo é de propor uma melhoria na qualidade e produtividade na adoção de tecnologias em prol humanidade e evolução humana.

.'.

Leia também:
 

.'.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...