Clique nas imagens dos artigos! Elas levam você para o site do artista que a criou e muitas
vezes tem assuntos relacionados ou outras imagens para expandir seus horizontes!

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Levando Legados ao Ideal

Uma coisa que me ocorre quando se trata de sistemas legados, e até por ter que lidar tanto com eles nestes anos todos, entre uma conversão e outra, é que temos um mundo real e um ideal.

O mundo ideal, é aquele em que estamos longe do legado. Usamos outras ferramentas mais atuais, espiamos pela janela do vizinho para ver como são lindas as interfaces gráficas (que ele j-u-r-a que funcionam), conexões entre as mais diversas plataformas...

Enfim, o mundo ideal é aquele que muitas vezes sonhamos em alcançar, mantendo tudo de bom que o sistema atual tem e agregando tudo que gostariamos que tivesse.



Sabem, depois de mais de quinze anos usando Clipper e participando de fóruns, principalmente na Usenet onde encontramos caras como o Dave Pearson e outras feras que participaram na criação destas linguagens, podemos observar que as alternativas podem estar muito mais próximas do que pensamos.

Claro que eu gostaria de converter tudo direto para algo "topo de linha", do dia para a noite, sem nunca mais me preocupar em ter que manter dois sistemas em paralelo durante o desenvolvimento, muito menos ouvir a choradeira de alguém com saudade dos velhos programas... (AAAARGGGGG!!!!....)

Mas e se dizermos por partes? Agregando algo aqui e ali. Fazendo, por exemplo no Clipper, um super tunning simplesmente com a adoção do ADS, que ajuda a resolver a vasta maioria dos problemas de limitação dos arquivos DBF, aumenta estupidamente a performance, com segurança e integridade e, sem limitação de tamanhos de arquivo? E de quebra, fica pronto para você migrar para DB relacional... Claro que corrupção de dados pode ser por erro de programação ou projeto, mas aí já entra o nosso trabalho.

Fazendo um tunning destes, claro que você não deve contar o milagre todo para seu usuário, que poderia automaticamente pensar que você ficou desocupado e vai atropelar o resto do trabalho.

Continuando, sobre coisas que se vê por aí. Na usenet conversavamos com uns caras de uma rede de lojas norte-americana. Eles já usavam algo tipo VPN (no início dos anos 2000), conectando todas as lojas, num enorme sistema integrado que cobria todo o país. Tamanho da coisa? Mais de MIL lojas. Tudo em Clipper 5.2e, um pouco de sabedoria, muita experiência e aquela paciência necessária para fazer algo bem feito.

Posteriormente estavam começando a colocar uma interface gráfica para Windows, creio que era o FiveWin, e na época, não cogitavam ainda usar o Harbour que recém estava engatinhando.

Fazendo uma revisão aqui, na época, o sistema deles tinha integração com e-mail, planilhas, diversos outros sistemas de arquitetura diferentes, etc. A parte de relatórios a muito já estava sendo migrada para utilização de ferramentas produtividade, como Crystal Reports, o próprio Ms-Access e outras tantas.

Mas o que importa, é que essa idéia funciona: ir aos poucos colocando coisas novas. Sabe que as vezes o Frankenstein pode funcionar melhor numa migração tranquila do que arriscar uma fortuna numa migração maciça?
.'.

1 comentário:

Liliana de Rosa disse...

Gilberto, mudanças são sempre preocupantes. Tecnologias novas são sempre bem vindas, mas o mais importante é a concepção e os processos bem definos o que pode tornar uma mudança até mais fácil. Como você mesmo disse ao invés de ter um mega software, as vezes soluções inteligentes e interligadas também funcionam bem com custos menores. Em visita a um dos grandes Bancos brasileiros, foram adotadas soluções interligadas que tinham tempo de resposta muito bom e que atendiam perfeitamente ao negócio sem grandes custos. Hoje estão trocando tudo o que tem e esta dando um grande trabalho, não é fácil e ao final vamos ver se vai ficar melhor, esperamos que sim. Abços.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...